Aumenta o roubo de cães. Saiba quais são as raças mais visadas - Coluna Entretenimento por Milena Baracat

Por um segundo de descuido, o seu cão pode ser levado da sua casa, carro ou mesmo do seu colo. Essa é uma realidade que vem crescendo não só em São Paulo, mas em diversas cidades brasileiras.

foto 1.jpg

(Foto Reprodução: Grande FM 92,1)

Segundo levantamento da Polícia Civil, cães roubados de suas próprias casas mais do que dobrou nos últimos dois anos. Em 2018, foram registrados 137 casos, contra 65 em 2017. Um aumento de 110%. Casos de furtos na rua ou dentro de veículos cresceram 227%.

foto 2.jpg

(Foto Divulgação: Polícia Civil)

Esse tipo de crime é mais comum em animais chamados “pequenos cães de companhia”, sendo que os ladrões roubam principalmente de crianças, mulheres e idosas. O destino dos cães é venda, reprodução forçada ou até a extorsão dos donos, que pagam para recuperar seus pets.

AS RAÇAS MAIS ROUBADAS SÃO:

1º) Yorkshire

foto 3.jpg

 2º) Lulu da Pomerânia

foto 4.jpg

3º) Buldogue Francês

foto 5.jpg

4º) Boston Terrier

foto 6.jpg

5º) Pug

foto 7.jpg

6º) Shih Tzu

foto 8.jpg

7º) Schnauzer

schnauzer_c.jpg

MICROCHIP NÃO RASTREIA, SÓ IDENTIFICA

Muitos donos têm recorrido à tecnologia. Nos últimos meses aumentou cerca de 20% o número de instalação de chip de identificação. O equipamento, que tem o tamanho de um grão de arroz, custa em média R$ 200.

Ele não é usado para rastrear o animal, mas para facilitar sua identificação, já que garante um número único para o animal reconhecido no mundo inteiro. O veterinário passa o leitor e ele é capaz de identificar de quem é aquele animal.

Ou seja, o microchip não funciona como rastreador ou localizador por GPS, mas atua como um registro geral do animal. Todas as vezes que passar por um local que tenha o leitor universal do microchip, o pet será identificado. Em voos internacionais, por exemplo, é exigida a presença do microchip.

Além do chip você pode seguir algumas dicas que os donos de cães estão compartilhando nas redes sociais:

-Não deixe os cachorros em locais da sua casa visível aos olhos da rua.

-Evite passear de noite e em ruas mal iluminadas.

-Dê preferência a locais mais movimentados.

-Organize saídas em grupo

Em caso de roubo (e perda):

-Tenha em mão foto atualizada do animal para divulgação.

-Faça o boletim de ocorrência e a queixa, mesmo que não haja certeza sobre a autoria do roubo.

 

DESCONFIE! NÃO COMPRE! DENUNCIE!

Os filhotes de Shih Tzu ou Yorkshire custam mais de R$ 2 mil, já um Pug, o preço pode chegar a R$ 4 mil. Os que são roubados chegam a custar 10% deste valor. Portanto, dá sim pra saber se você está comprando de um ladrão.

Enquanto houver quem compre, esse tipo de crime não vai acabar.

Crianças adoecem, pessoas idosas infartam, jovens caem em profunda depressão. Os animais de estimação, para os humanos proprietários que os amam, são como um membro da família. Não alimente este tipo de crime. A culpa é SIM de quem compra!

Se o valor estiver muito abaixo do mercado, desconfie! Infelizmente, o animal ainda é visto como mercadoria possível de ser explorada.

E vou mais longe...Sinceramente, na minha opinião, a melhor forma de combater o comércio ilegal e os maus-tratos de animais, está na ADOÇÃO. Infinitos animais que estavam na rua, hoje estão à espera de um lar nas ONGs, mas infelizmente ainda há um grande preconceito com animais sem raça definida.

Pense nisso.

Fonte: G1 / iG / ISTOÉ / Veja / R7.

Milena.jpg

Milena Baracat

Coluna Entretenimento

Formada em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). Atualmente presta assessoria ao Site Raquel Baracat.