As vantagens do aleitamento materno - Coluna Pediatria por Dra. Carolina Calafiori de Campos

Dando sequência ao nosso " Agosto Dourado" , hoje,  vamos conversar sobre as vantagens da amamentação para as mamães e para os bebês . Já sabemos que o leite materno é o alimento ideal para o bebê , pois  ajuda no desenvolvimento da criança, suprindo todas as necessidades nutricionais até os seis meses de idade. O leite materno é o alimento mais completo que um bebê pode receber desde o seu nascimento. Seja o parto normal ou cesárea, ele deve sugar na primeira hora de vida para acelerar a descida do leite, receber as defesas da mãe (anticorpos) e fortalecer o vínculo entre os dois. Veja aqui as vantagens da amamentação para o bebê :

mns saude.jpg

- Os bebês que amamentam no seio estão menos sujeitos às infecções, porque o leite materno é estéril, isento de bactérias e contém fatores anti-infecciosos, tais como leucócitos, imunoglobulinas, lactoferrina, fator bífido, entre outros. Além disso ele diminui a incidência de alergia nos bebês;

amamentacao1.jpg

- A sucção favorece o crescimento dos ossos  e fortalece os músculos da face, facilitando o desenvolvimento da fala, regulando a respiração e prevenindo problemas na dentição;

-Do ponto de vista nutricional, o leite materno contém todos os ingredientes de que a criança precisa nos primeiros seis meses de vida, sendo dispensável qualquer outro alimento. Um bebê de até seis meses não precisa sequer beber água, pois o leite materno já contém água suficiente para mantê-lo hidratado. Contém ainda proteína, vitaminas, ferro, sais, cálcio, fósforo e gordura nas medidas certas, assim como possui uma enzima especial, chamada lípase, que ajuda o bebê a digerir as gorduras;

- Maior contato e vínculo com a mãe, pois a mamada é o momento em que o bebê está bem pertinho da mãe, quentinho, sentindo a pele dela e ouvindo o barulho do coração;

- Melhora a digestão e minimiza as cólicas;

-  Vários estudos demonstraram que as crianças amamentadas, quando comparadas com as não amamentadas ou amamentadas por pouco tempo, têm um Quociente de Inteligência (QI) maior, em média 3,4 pontos a mais, além disso quanto maior for a duração da amamentação, maior é o aumento no QI. O tipo de aleitamento materno nos primeiros 6 meses também faz diferença, pois quanto maior a duração do aleitamento materno exclusivo, ou seja, quanto maior for o tempo que ela recebe apenas leite materno, sem nenhum outro alimento, maior é o QI .

amamentacao2.jpg

- Diminui as chances de desenvolver doenças como a Doença de Crohn , Diabetes tipo 1 e alguns tipos de linfoma;

- O leite materno é a única fonte de vitamina A nos primeiros dois anos de vida de um bebê, e essa vitamina está diretamente relacionada com a visão, logo os problemas de visão são menos incidentes entre os bebês que mamaram no peito;

- Protege contra a Síndrome da Morte Súbita do Lactente;

- A amamentação é mais prática,  econômica e evita o risco de contaminação no preparo de outros leites.

- O aleitamento materno também traz muitas vantagens para as mamães, pois amamentação provoca alterações no corpo da mulher que podem beneficiar a sua saúde enquanto amamenta e também após o período da amamentação;

- A sucção da criança logo após o parto, seja ele cesárea ou normal,  faz a mãe produzir e liberar a ocitocina, um hormônio que ajuda na contração do útero, fazendo com que o útero voltar ao tamanho normal de maneira mais rápida e a mãe perca menos sangue após o parto e, consequentemente tenha menor risco de desenvolver anemia. Se o bebê sugar antes de a placenta sair,  essa ocitocina liberada pela amamentação pode acelerar a expulsão da placenta;

- A amamentação logo após o parto também é importante para o vínculo afetivo entre a mãe e o bebê, além de ajudar na “descida do leite"

- Mães que amamentam voltam mais rapidamente ao seu peso normal;

- O risco de desenvolver o diabetes tipo 2 é menor nas mulheres que amamentam. Os pesquisadores estimam uma redução de 9% para cada ano de amamentação.Além disso amamentar reduz a chance de outras doenças como osteoporose , enxaqueca e doenças cardiovasculares , prevenindo o infarto do miocárdio;

amamentacao3.jpg

 -Ajuda na prevenção do câncer de mama. Pesquisas mostram que o risco de a mulher que amamenta contrair câncer de mama é 22% menor comparado com o das mulheres que nunca amamentaram, além disso, mesmo se as mulheres desenvolverem câncer de mama e forem submetidas à cirurgia, as que amamentaram por mais de 6 meses têm um risco aproximadamente 3 vezes menor de morrer pela doença, comparadas com aquelas que tiveram uma história de amamentação menor que 6 meses. Dessa forma, a amamentação, além de prevenir o aparecimento do câncer de mama, aumenta a sobrevida em mulheres com esse tipo câncer;

- Prevenção de câncer de ovário e endométrio (revestimento interno do útero);

- Quando a mãe oferece o seio ao seu filho, transmite-lhe segurança, prazer e conforto. Nesse processo, ocorre liberação de hormônio (endorfinas) que aumentam a sensação de prazer e felicidade para a mulher que amamenta. Além disso, melhora sua autoestima, ao saber que seu bebê está saudável porque está recebendo o alimento ideal: o seu leite!

Amamentar também é vantajoso para a família inteira. Afinal, um bebê que mama no peito é mais econômico, adoece menos, chora menos e torna a vida de toda a família mais tranqüila. Além disso, amamentar é considerado um ato ecológico: evita o uso de uma série de produtos embalados com alumínio, plástico e outros materiais que não são biodegradáveis, como latas de leite em pó, mamadeiras, bicos, entre outros.

Viram só quantas vantagens ? Espero que tenham gostado!

Dados : Departamento Científico de Aleitamento Materno da Sociedade Brasileira de Pediatria / Ministério da Saúde

 

Image-22.jpg

Carolina Calafiori de Campos

Coluna Pediatria

Dra Carolina Calafiori de Campos - CRM 146.649 RQE nº 73444 

Médica Formada pela Faculdade de Medicina de Taubaté, Especialização em Pediatria pelo Hospital da Puc Campinas, Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica pelo Hospital da Puc Campinas, Membro da Sociedade Brasileira de Pediatria - Contato: carolinacalafiori@hotmail.com