Fone do Google traduz até 40 línguas em tempo real - Coluna Entretenimento por Milena Baracat

No ano passado, o Google lançou a linha de hardwares, chamada "Made by Google". Entre as novidades, os celulares da linha Pixel, que possuem visor com realidade aumentada, uma caixinha de som que sabe suas músicas favoritas, uma câmera fotográfica que tira foto por você.

FOTO 1.jpg

No entanto, o que mais chamou atenção foram os fones de ouvido Google Pixel Buds capazes de traduzir 40 línguas em tempo real.

foto 2.jpg

Funciona da seguinte forma: os fones são conectados ao celular via wireless e quando for preciso fazer a tradução simultânea, o “Assistente do Android” será acionado assim que o usuário disser “me ajude a falar inglês”, por exemplo, ou qualquer um dos 40 idiomas disponíveis.

foto 3.png

Também é possível falar para o fone, que se comunica com o celular, utilizando o dispositivo como um alto-falante para traduzir o que você diz em tempo real. Ou seja, é só falar em voz alta que o alto-falante do celular reproduzirá já na língua escolhida.

foto 4.png

As vendas, por enquanto, somente nos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Alemanha, Austrália e Cingapura, por US$ 159, conforme foi anunciado.

Fonte e Fotos: GOOGLE

Milena.jpg

Milena Baracat

Coluna Entretenimento

Coluna Esportes

Formada em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). Atualmente presta assessoria ao Site Raquel Baracat.

Meryl Streep estará na segunda temporada de “Big Little Lies” - Coluna Entretenimento por Mielna Baracat

Estreia em junho, a segunda temporada da série vencedora de 8 prêmios Emmy, "Big Little Lies". Serão sete episódios, nos quais Reese Witherspoon, Nicole Kidman, Shailene Woodley, Laura Dern e Zoe Kravitz lutarão para seguir com suas vidas após o homicídio que encerrou a primeira temporada.

foto 1.png

Entre as novidades mais comemoradas está a participação de Meryl Streep, interpretando Mary Louise Wright, a mãe de Perry (Alexander Skarsgard), marido violento de Celeste (Nicole Kidman).

foto 2.jpg

O papel, aliás, foi escrito para Meryl, tanto que a personagem se chama Mary Louise em uma referência ao nome real de Streep.

foto 3.jpg
foto 4.jpg
foto 5.jpg

Para poupar spoilers, a sinopse oficial da segunda temporada diz que a série "vai continuar a explorar a maldade por trás das mentiras, a durabilidade das amizades, a fragilidade do casamento e, é claro, a ferocidade por trás da educação dos filhos".

foto 6.jpg

Vale dizer que a autora do livro também foi consultada para ajudar no roteiro da segunda temporada e ela ficou bem animada com a ideia. "Eu estou bem aberta porque, assim que comecei a pensar, seria divertido ver o que eu poderia fazer com esses personagens. E há muitas direções para ir", disse ela.

 

SINOPSE

“Big Little Lies”, baseada no livro homônimo da escritora australiana Liane Moriarty, é focada na história de cinco mulheres muito interessantes: Madeline (Reese Witherspoon), Celeste (Nicole Kidman), Jane (Shailene Woodley), Bonnie (Zoë Kravitz) e Renata (Laura Dern).

foto 7.jpg

Em um primeiro momento você pode até achar que elas são ricaças fúteis. Mas nada disso: são mulheres com histórias diversas e com muito mais camadas do que você pode imaginar à primeira vista. A série fala sobre violência doméstica, estupro, bullying e muito mais.

FOTO 8.jpg

Como já citado acima, a série abocanhou 8 prêmios no Emmy 2017 entre eles: melhor minissérie ou telefilme, melhor atriz de minissérie para Nicole Kidman, melhor direção para Jean-Marc Vallee, melhor atriz coadjuvante para Laura Dern, melhor ator coadjuvante para Alexander Skarsgard.

foto 9.jpg
Milena.jpg

Milena Baracat

Coluna Entretenimento

Coluna Esportes

Formada em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). Atualmente presta assessoria ao Site Raquel Baracat.

Liquidação à vista? Anote essas dicas antes de sair comprando tudo o que vê pela frente - Coluna Entretenimento por Milena Baracat

Estamos na temporada das liquidações e elas podem ser uma armadilha!

foto 1.jpg

Há peças em promoção que são uma oportunidade, há outras que são uma ameaça para a sua vida financeira, pois não valerão o preço barato que você pagou se não for usada ou se for usada uma vez e já ficar amarrotada no armário.

FOTO 2.jpg

Certa vez li em um artigo sobre moda, que uma mulher poderia comprar um carro novo com a quantidade de dinheiro que gasta em roupas que nunca usa.

foto 3.jpg

Claro que dá para fazer bons achados nesta época, mas antes de passar o cartão, pergunte-se: “Eu compraria essa peça mesmo se ela estivesse com o preço cheio?”. Se você não se interessou pela aquela peça antes e só agora a notou porque ela está com 50% off, então não a compre. Além disso, se você estiver comprando na liquidação, verifique se ela ainda vai estar em alta na próxima estação. Não é o caso? Desencana.

foto 4.jpg

Antes de sair às compras, fotografe seu armário com as portas abertas. Roupas, sapatos e bolsas. Isso vai te ajudar a lembrar que aquele vestido lindo que você está prestes a parcelar em mil vezes já existe na sua vida. Olha ele lá no fundo do closet!

foto 5.png

Nunca compre um acessório apenas para usar com aquele vestido. Compre um acessório porque ele é bacana, porque você amou e principalmente porque ele é versátil e vai combinar com um monte de peça do seu armário.

FOTO 6.jpg

Pare de projetar! Aquela modelo magérrima da revista vai ficar bem com qualquer modelito que colocarem nela, porque mesmo que não fique, a produção vai dar um jeito daquilo parecer estar perfeito: luz, photoshop..., portanto, experimente e veja se funciona bem em você e se aquilo tem mesmo a ver com seu estilo e personalidade.

FOTO 7.png

Não compre um look novo para cada evento. Impossível que você já não tenha algo no armário. Dê uma olhada geral no closet antes de sair em busca de uma roupa. E lembre-se: se seu armário estiver abarrotado de roupa, você só verá uma grande mistura de panos. Faça limpas, doe, venda... Livre-se de excessos.

FOTO 8.jpg

Invista mais em peças para o dia a dia do que em um vestido de festa: O vestido de festa será pouco usado. Já uma roupa clássica com um super corte e de qualidade você usará por mais tempo.

foto 9.jpeg

Cuidado com regras impostas por livros de moda. Morro de rir quando leio coisa como: “O que toda mulher deve ter no armário”. Pode ter certeza de que vai ter sempre a sugestão de um trench coat ou saia-lápis. Não é bem assim. Eu mesma não tenho um trench coat e várias mulheres que conheço também não tem. A peça, uma capa de chuva, é europeia e funciona muito lá, onde chove mais e faz frio. A saia lápis não favorece qualquer mulher... É preciso ser longilínea e ter pouco quadril. O que vai ditar o que você deve ter no armário é a sua rotina, suas necessidades e personalidade. E isso muda de pessoa para pessoa, não é mesmo? Então esqueça regras prontas neste caso e siga o que funciona para você.

FOTO 10.jpg

Enfim, promoção não é de graça, então avalie bem a peça, prove e veja cada detalhe. Não compre por impulso ou desejo, avalie a necessidade. Permitir-se uns mimos de vez em quando faz bem, mas mimar-se demais pode fazer de você uma consumidora compulsiva.

FOTO 11.png

Planeje. Revise seu guarda-roupa. Desfaça-se do que não usa. Doe para as pessoas que vão fazer bom proveito de suas peças “enjoadas”.

Em tempo, deixo uma dica de filme e / ou livro para refletir sobre como o consumo exagerado pode destruir muito mais do que uma vida financeira.

foto 12.jpg

Os Delírios de Consumo de Becky Bloom - adaptação do romance "Confessions of a Shopaholic", de Sophie Kinsella, trata-se da história de uma jovem com um péssimo hábito: é uma consumidora compulsiva. Apesar de ser uma jornalista especializada em mercado financeiro, não consegue controlar as próprias finanças. Endividada até a alma, vive fugindo do seu gerente de banco e procurando fórmulas mirabolantes para pagar a fatura do cartão de crédito.

Fotos: Reprodução

Milena.jpg

Milena Baracat

Coluna Entretenimento

Coluna Esportes

Formada em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). Atualmente presta assessoria ao Site Raquel Baracat.

US$ 645 é o preço da indestrutível calça “100 Year Pants” - Coluna Entretenimento por Milena Baracat

A calça “100 Year Pants” foi elaborada , a princípio, pela Schoeller, que é especializada no desenvolvimento de roupas para militares, e depois adaptada pela start-up Vollebak, marca de roupas especializada em vestimentas para aventura (ou adventure clothing), com a promessa de resistir a “fogo, natureza, água e o resto do século”, como bem diz a chamada para o produto no site da empresa.

foto 1.jpg

Além de resistir ao fogo e ser à prova d’água, a calça possui airbag portátil e um tecido elástico de três camadas que parece moletom por fora e algodão por dentro (e não é nenhum dos dois). Sua composição é 58% de poliamida, 23% aramida, 18% poliuretano e 1% de elastano.

foto 2.jpg
foto 3.jpg
foto 4.jpg

Para atender todas estas demandas, a “calça de 100 anos” se distribui em três camadas distintas. Enquanto o tecido exterior lida com os fatores mais imediatos (que inclui os desgastes oriundos de abrasão e água citados acima), a camada do meio é à prova de fogo e se expande automaticamente quando necessário para permitir a respiração da perna e garantir sua proteção perante as chamas. Já a parte interna foi desenvolvida para extremos (impossível de ter sua composição sintética queimada ou derretida).

foto 5.jpg
foto 6.jpg
foto 7.jpg

“A maioria das vestimentas resistentes ao fogo é feita de materiais pesados, desconfortáveis e altamente químicos, mas este é o primeiro material inteligente no mundo à prova de fogo que pode ser confortável de se vestir no dia a dia”, afirma o cofundador da marca Nick Tidball em entrevista ao Fast Company.



foto 8.jpg

À venda no site da empresa por 645 dólares (se durar o tempo prometido pela empresa, o custo fica só em R$ 25 ao ano) tem diversos tamanhos e não é a única peça “indestrutível” da empresa. Vale a pena conferir: https://www.vollebak.com. Uma moda na contramão da cultura do descartável.

FONTE e FOTOS (Reprodução): https://www.vollebak.com.

Milena.jpg

Milena Baracat

Coluna Entretenimento

Formada em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). Atualmente presta assessoria ao Site Raquel Baracat.

As sensacionais séries europeias - Coluna Entretenimento por Milena Baracat

Segundo uma pesquisa realizada por uma plataforma de streaming, as séries europeias foram as mais maratonadas no Brasil em 2018. Confesso que faço parte desse time.

foto 1.png

Acredito que a fórmula do sucesso se dá pela soma de uma narrativa ousada, mais realismo, mais roteiro enxuto, mais atores melhores. Resultado: séries sensacionais.

Os assuntos abordados também são um ponto fortíssimo. Medicina, advogados e super-heróis são os principais temas das séries americanas. Somente nas produções da HBO elas diversificam um pouco mais o seu leque temático, mas ainda assim, nada se compara com as produções europeias.

Sem contar que elas trazem uma vibe alternativa, cult, de desapego na questão de estilo e aparência. A montagem europeia não precisa ter esta fachada de beleza emplastificada, que muitas vezes serve para mascarar um roteiro frágil. As pessoas são normais e não Barbies adolescentes fazendo papel de vó, sem feição pelo excesso de botox, com dentes branqueados no módulo alienígena, vestindo haute couture para ir ao trabalho. Totalmente inverossímil!

As séries teen, então, nem se fala! As europeias são bem mais realistas sobre o universo jovem.

Enfim, fiz uma pequena seleção (claro que tem muito mais), para você começar a maratonar já.

foto 2.jpg

Dark

Dark é uma versão mais adulta de Stranger Things.Com o seu ambiente misterioso, escuro e sinistro, o primeiro original alemão da Netflix se passa no ano de 2019.

Depois do suicídio do seu pai, Jonas volta à escola e descobre que uma criança desapareceu em Winden, a sua cidade. Os ânimos da população, já elevados, aumentam quando Mikkel, outra criança, desaparece.

Os desaparecimentos coincidem com fenômenos estranhos: caem pássaros do céu, luzes piscam incessantemente e de forma inexplicável... Os habitantes da cidade começam a perceber um padrão entre estes desaparecimentos e outros, que ocorreram há vários anos. A partir deste ponto, a questão não é mais “onde está Mikkel?”, mas “quando está Mikkel? “.

A trama, no entanto, vai além dos elementos sobrenaturais: explora relações familiares e vidas duplas, ao mesmo tempo que visita a ligação entre várias famílias no passado, no presente e no futuro.

foto 3.jpg

Bodyguard

As séries britânicas já estão há mais tempo na lista dos brasileiros. Doctor Who, Downton Abbey, The Crown, Black Mirror, Misfits (amo!) The Fall, Lovesick, Skins, Collateral, Sherlock, Shameless…são algumas dentre tantas de sucesso.

O mais recente fenômeno na televisão britânica é "Bodyguard", no Brasil, “Segurança em Jogo”. Considerada a mais popular série de TV no Reino Unido, o episódio final alcançou 11 milhões de telespectadores, o equivalente a quase um sexto da população do Reino Unido. Esse foi o melhor resultado da TV britânica desde a transmissão de um episódio de "Downton Abbey", da ITV, em novembro 2011, e o mais alto patamar da BBC desde 2008, quando exibiu um especial de Natal de "Doctor Who".

O protagonista é o sargento David Budd, um veterano da Guerra do Afeganistão que serve de guarda-costas da secretária de Estado Julia Montague, vivido pelo escocês Richard Madden, mais conhecido por viver Robb Stark em "Game of Thrones".

Na trama, Budd vive um dilema entre cumprir o seu dever de proteger a secretária de Estado ou combater a política dela, que vai contra tudo que ele acredita. O desempenho de Madden como um agente britânico, aliás, fez com que o nome dele passasse a ser cotado para viver James Bond.



foto 4.png

Marcella

Série de gênero policial (e uma dose de drama), produzida pela Netflix em parceria com o canal britânico ITV, prende a atenção fazendo você desconfiar do elenco inteiro até nos últimos episódios, por conta de tramas tensas e surpreendentes.

Marcella Backland é uma detetive aposentada que é chamada de volta para uma investigação de um caso que pode ter ligação com um crime não resolvido há dez anos. Em paralelo aos crimes, várias outras situações estão acontecendo, o que deixa tanto Marcella quanto o telespectador confusos, porém vidrados.

foto 5.jpg

Sex Education

Na lista das boas séries adolescentes, as britânicas são quase uma garantia de eficiência. E a recém lançada pela Netflix, Sex Education, reforça essa fama. A comédia dramática desconstrói e desmistifica o ato sexual como algo sujo, secreto ou pecaminoso e, para isso, usa muita descontração e bom humor para abordar o assunto.

Apesar do adolescente Otis (Asa Butterfield, de ‘A Invenção de Hugo Cabret’ e ‘O Lar das Crianças Peculiares’) ser filho de uma terapeuta sexual (vivida por ninguém menos que Gillian Anderson, a eterna Dana Scully de ‘Arquivo X’), ele é totalmente inibido e inexperiente no assunto.

Contudo, após sem querer ajudar o valentão da escola que estava com problemas nesta área, ele “abre uma clínica de terapia sexual” clandestina e passa a dar “consultas” para os colegas em troca de dinheiro, respondendo questões e problemas sexuais que muitos jovens não entendem ou não querem admitir que tem.

Série muito bem escrita, muito bem dirigida, muito bem executada e o elenco está muito bem em cena. Aliás, os personagens são tão bem construídos (Eric é o que mais amo, vivido por Ncuti Gatwa) que possuem histórias e personalidades cativantes.

foto 6.png

Merlí

Essa série catalã exibida pela Netflix, retrata um professor de filosofia que usa métodos pouco convencionais para ensinar, além encorajar seus alunos a pensar “fora da caixa”. O provocativo drama tem três temporadas e um spin-off no “forno”.

foto 7.jpg

Elite

Depois de um problema na escola que frequentam, três alunos do ensino público são transferidos para a Las Encinas, a melhor e mais exclusiva escola na Espanha, onde os filhos da elite estudam. O choque entre os menos favorecidos e aqueles que têm tudo culmina em um assassinato. Agora resta saber quem está por trás do crime.



foto 8.jpg

La Casa de Papel

A produção espanhola tornou-se a série de língua não-inglesa mais assistida quando as partes 1 e 2 foram lançadas na Netflix em 2018.

A sua trama acompanha um grupo de pessoas com habilidades diversificadas com uma única missão: realizar o maior assalto da história. Eles ficam onze dias reclusos na Casa da Moeda do País para imprimir 2.4 bilhões de euros. Todos os episódios são ambientados exatamente dentro do tempo em questão, acompanhados por muita tensão e expectativa.

foto 9.jpg

Baby

Produção da Netflix baseada em uma história real: o escândalo “Baby Squillo”, um esquema de prostituição de menores, que aconteceu na capital Italiana em 2014, quando duas adolescentes ricas se prostituíram para comprar roupas de grife e celulares caros.

As protagonistas da série são Chiara, interpretada por Benedetta Porcaroil (Perfetti Sconosciuti) e Ludovica (Alice Pagani). Do elenco fazem parte Isabella Ferrari (A Grande Beleza) e Claudia Pandolfi (La Prima Cosa Bella), entre outros.

A série é a terceira produção italiana da Netflix, depois de “Saburra” e “Juventus FC”.

FOTO 10.jpg

The Protector

The Protector ou como foi traduzida para o Brasil, “O Último Guardião”, é a primeira série turca produzida pela Netflix - que mais lembra uma série da Marvel -sobre um rapaz, o gastíssimo Hakan (Çagatay Ulusoy), que descobre ter poderes extraordinários e que deve usá-los contra as forças das trevas para proteger sua cidade: a maravilhosa Istambul.

Fonte: Netflix. Fotos Reprodução

Milena.jpg

 Milena Baracat

Coluna Entretenimento

Coluna Esportes

Formada em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). Atualmente presta assessoria ao Site Raquel Baracat.