Crítica de cinema por Vicente Neto - Filmes: Downton Abbey e Joker (Coringa)

Downton Abbey

Downton Abbey.jpg

Nunca assisti à série televisiva, mas sabia da fama e fiquei curioso em assistir ao filme.

 Inglaterra, 1927. Robert e Cora Crawley recebem a notícia de que em breve serão visitados pelo Rei Jorge V e a Rainha Maria. O entusiasmo e as expectativas de todos os habitantes de Downton Abbey é enorme. Mas os ânimos se exaltam quando os empregados dos Crawley percebem que em breve, vão ter que enfrentar os comandos do mordomo e do cozinheiro do rei, que terão a função de organizar evento.  

 Para quem é fã da série, filme é obrigatório. Para quem, como eu, nunca assistiu na TV, consegue entender toda a trama e personagens, e se diverte como se já os conhecesse. Vale a pena!

 Joker (título em Português: “Coringa”)

Joker.jpg

Nesses últimos meses, quase todo filme que assisti, passou o trailer deste filme. Estava ansioso (e curioso) demais para assistir.

 Gotham City, início da década de 1980. O comediante Arthur Fleck (Joaquin Phoenix) se esforça por arrancar sorrisos aos poucos espectadores que ainda lhe restam. Amargurado e emocionalmente desequilibrado, é obrigado a comparecer a reuniões periódicas com uma assistente social para avaliação psicológica.

Um dia, após ter sido despedido da agência de talentos onde trabalhava, é barbaramente agredido. Nesse momento, a sua já tênue lucidez desintegra-se numa raiva descontrolada. É assim que, das profundezas da sua mente atormentada, surge o psicopata impiedoso que será conhecido pelo nome de Coringa, e que se tornará no grande antagonista de Batman.

 Muito mais do que eu esperava! Enredo, fotografia, trilha sonora e, com certeza, atuação mais do que surpreendente. Sem dúvida alguma, um dos filmes do ano! Pare tudo o que estiver fazendo agora e corra pro cinema!

 

Vicente.jpg

Vicente Neto

Coluna Crítica de Cinema

Engenheiro que, desde pequeno, é apaixonado por cinema. Procura assistir a todos os filmes possíveis na telona e, se deixa escapar, assiste em DVD. Costuma sempre ver o lado bom de cada filme que assiste, mesmo se este não agradar muito. Suas críticas são praticamente uma conversa entre amigos, comentando do filme que assistiu.

Crítica de cinema por Vicente Neto - Filme: Ad Astra

Ad Astra

AdAstra.jpg

Filme grande, com Brad Pitt e Tommy Lee Jones, não tem como ser ruim, né? O trailer pouco revelava do filme, então fui conferir sem saber muita coisa dele.

 O engenheiro espacial Roy McBride (Brad Pitt) é enviado para as extremidades do Sistema Solar com uma missão de extrema importância: encontrar o pai, um astronauta desaparecido há 16 anos, durante uma viagem ao planeta Netuno (com o objetivo de encontrar vida inteligente), e desvendar um mistério que ameaça a sobrevivência do nosso planeta. 

 Enredo interessante, efeitos visuais dos melhores e só. Como disse, não tem como ser ruim, mas também não é nada demais.

Vicente.jpg

Vicente Neto

Coluna Crítica de Cinema

Engenheiro que, desde pequeno, é apaixonado por cinema. Procura assistir a todos os filmes possíveis na telona e, se deixa escapar, assiste em DVD. Costuma sempre ver o lado bom de cada filme que assiste, mesmo se este não agradar muito. Suas críticas são praticamente uma conversa entre amigos, comentando do filme que assistiu.

Crítica de cinema por Vicente Neto - Filmes: It: Chapter Two e The Goldfish

It: Chapter Two (título em Português: “It: Capítulo Dois”)

it-chapter-two-new-poster.jpg

Quando era adolescente, lembro de ter assistido ao ‘It’ e achado ok (como já havia comentado, eu era muito fã de filmes de terror). Não era mesmo um dos meus favoritos. Quando fizeram um remake, em 2017, achei apenas bem feito (de novo, nada demais).

 Sem que nenhum adulto percebesse, os adolescentes do “Clube dos Perdedores” foram alvo de um ser chamado Pennywise que, para os seduzir as crianças, assumia a forma de palhaço. Vinte e sete anos depois, Pennywise volta a surgir em Derry, assim como novos desaparecimentos. É, então, que os membros do Clube, agora adultos, se reúnem para honrar o pacto que haviam feito: acabar de vez com o monstro que quase os matou e cujas memórias os têm atormentado.

 Para assistir a este filme, tive que rever o primeiro na Netflix, pois pouco lembrava dos detalhes. Este é bem mais do mesmo, só que com 34 minutos a mais. Então, dá uma cansada! É aparentemente um desfecho para a história, mas só recomendo para quem realmente lembra do anterior e quer muito saber como termina. Fora isso, deixa prá lá. Rs

 The Goldfinch (título em Português: “O Pintassilgo”)

TheGoldfinch.jpg

Mais um filme que decidi assistir pelo trailer e pelo elenco (Ansel Elgort, que sou fã, e Nicole Kidman). A história também me pareceu ser bem interessante.

 Aos 13 anos, Theodore Decker sobrevive a um atentado terrorista num museu. Sua mãe, porém, morre. Enquanto está saindo dos destroços, encontra e é incentivado por um desconhecido a levar consigo um quadro lá exposto, "O Pintassilgo", quadro a óleo do holandês Carel Fabritius pintado em 1654, além de um anel com o brasão de sua família.

Nos dias seguintes, Theo recebe o abrigo da sra. Barbour (Nicole Kidman) e, ao pesquisar sobre o brasão, conhece Hobie, um vendedor de antiguidades que agora é o tutor de Pippa, filha do homem desconhecido que também estava no museu no momento do atentado. Tal encontro modifica para sempre a vida do garoto, seja por seu interesse no mercado de antiguidades ou mesmo pela paixão que sente pela jovem.

 Excelentes atuações dos atores adolescentes e um enredo muito bom. O ponto negativo, na minha opinião, é que o filme é um tanto longo (2h30), e acaba cansando um pouco. Mas vale assistir, sim!

 

 

Vicente.jpg

Vicente Neto

Coluna Crítica de Cinema

Engenheiro que, desde pequeno, é apaixonado por cinema. Procura assistir a todos os filmes possíveis na telona e, se deixa escapar, assiste em DVD. Costuma sempre ver o lado bom de cada filme que assiste, mesmo se este não agradar muito. Suas críticas são praticamente uma conversa entre amigos, comentando do filme que assistiu.

Crítica de cinema por Vicente Neto - Filmes: Blinded by the light e Dolor y Gloria

Blinded by the Light (título em Português: “A Música da Minha Vida”)

blinded-by-the-light-movie-poster.jpg

Fiquei curioso para assistir a este filme, quando soube que era sobre as músicas de Bruce Springsteen. Não sabia que era baseado em fatos reais (sobre um jovem fanático pelo músico), e isso me deixou ainda mais motivado em assistir.

 Luton (Inglaterra), 1987. Javed, um jovem imigrante paquistanês, tenta adaptar-se à cultura de um país radicalmente diferente do seu, ao mesmo tempo que se esforça por respeitar e seguir as tradições da sua família. Um dia, um amigo lhe mostra uma fita cassete com as músicas de Bruce Springsteen. Aquelas letras ecoam no mais profundo de si mesmo, e vão transformá-lo. Com elas, vai aprender qual o seu lugar no mundo, mas o pai, um homem autoritário e com resistência à mudança, vai ter dificuldades em aceitar as suas escolhas.

 Um filme bem bonitinho, agradável e divertido. Bem estilo de filme da Netflix. E sugiro aguardar esperar para assistir na TV, se não fizer questão de ver no cinema. Mas vale assistir, especialmente para os fãs do “Boss” (como os fãs chamavam Bruce Springsteen nos anos 80).

  Dolor y Gloria (título em Português: “Dor e Glória”)

Dolor y Gloria.jpg

Confesso que não muito apreciador dos filmes do Almodóvar. Já gostei de alguns de seus filmes, mas já de outros, aclamados, achei fracos. De qualquer forma, sei da qualidade deste diretor, então, resolvi conferir.

 O espanhol Salvador Mallo (Banderas) possui uma extensa e aclamada carreira internacional como diretor de cinema. Agora, solitário, doente e atravessando uma crise de inspiração, faz uma reflexão sobre as escolhas feitas ao longo da vida. As suas memórias o conduzem à infância, numa pequena aldeia espanhola, até aos tempos de juventude e idade adulta, já na cidade de Madrid. Essa viagem o fará avaliar a sua relação com os pais, os amigos e amantes; assim como os sentimentos de alegria, tristeza e perda que foram deixando marcas profundas e o transformaram no que é hoje.

 Este é um dos filmes dele que posso dizer que gostei. Até Banderas, que não me agrada tanto como ator, está muitíssimo bem no papel. Vale muito assistir!

Vicente.jpg

Vicente Neto

Coluna Crítica de Cinema

Engenheiro que, desde pequeno, é apaixonado por cinema. Procura assistir a todos os filmes possíveis na telona e, se deixa escapar, assiste em DVD. Costuma sempre ver o lado bom de cada filme que assiste, mesmo se este não agradar muito. Suas críticas são praticamente uma conversa entre amigos, comentando do filme que assistiu.

 

 

 

 

 

Crítica de cinema por Vicente Neto - Filmes: Nomis (Night hunter) e Angel has fallen (Invasão ao serviço secreto)

Nomis (título no Brasil: “Night Hunter”)

nomis_xlg.jpg

Assisti ao trailer e fiquei bem interessado em assistir. Elenco bom, história me pareceu bem interessante...

 Cooper (Ben Kingsley) é um juiz aposentado que se dedica a capturar predadores sexuais. Para isso, conta com a ajuda da jovem Lara, que se apresenta como isca. Mas, durante uma investigação, a garota desaparece sem deixar rasto, e Cooper se vê forçado a pedir ajuda a Marshall (Henry Cavill), policial que investiga casos semelhantes.

No decorrer do inquérito, capturam Simon, um homem muito perigoso que revela ter múltiplas personalidades e que está ligado a inúmeros casos de raptos e assassinatos de mulheres ao longo de anos. Contudo, quando todos julgavam que o caso estava encerrado, surgem novos crimes com características semelhantes. 

 Infelizmente, o filme é bem fraco. Alguns clichês e absurdos sem explicações que deixa muito a desejar. É daqueles filmes que você assiste na TV e, dias depois, esquece completamente. Um desperdício de elenco.

 Angel Has Fallen (título em Português: “Invasão ao Serviço Secreto”)

angel_has_fallen_xlg.jpg

Terceiro filme da série (“Olympus Has Fallen” ou “Invasão a Casa Branca” e “London Has Fallen” ou “Invasão a Londres”), com basicamente o mesmo elenco, apenas a troca de posição do personagem de Morgan Freeman, que no último era o vice-presidente americano.

 Mike Banning (Gerard Butler), chefe de segurança do Presidente dos EUA Allan Trumbull (Morgan Freeman), vê a sua vida mudar drasticamente quando é acusado de conspirar contra a vida do homem que protege. Com o FBI e a sua própria agência o perseguindo, tem de encontrar uma forma de provar sua inocência e, ao mesmo tempo, salvar Trumbull de quem o pretende eliminar.

 Mais um filme com muita ação, tiros e explosões. Pra quem gosta do gênero, e quem gostou dos filmes anteriores, um prato cheio. Recomendo!

Vicente.jpg

Vicente Neto

Coluna Crítica de Cinema

Engenheiro que, desde pequeno, é apaixonado por cinema. Procura assistir a todos os filmes possíveis na telona e, se deixa escapar, assiste em DVD. Costuma sempre ver o lado bom de cada filme que assiste, mesmo se este não agradar muito. Suas críticas são praticamente uma conversa entre amigos, comentando do filme que assistiu.