Banho do bebê - Coluna Pediatria por Dra. Carolina Calafiori de Campos

O momento do banho deve ser muito gostoso tanto para seu bebê, como para você; para isso  veja essas dicas de segurança e aproveite esse momento.

banho bebe2.jpg

Vamos começar falando do principal: JAMAIS deixe o bebê sozinho durante o banho , nem que seja por alguns segundos , por isso antes de começar deixe preparado todo o material necessário e sempre tudo ao seu alcance : banheira plástica, água morna, sabonete infantil neutro , shampoo, cotonete / gaze , álcool 70%, toalha macia, pomada contra assadura e as roupas que o bebê vestirá após o banho.

banho bebe3.jpg

Mantenha sempre o ambiente aquecido, pois os bebes perdem calor muito rápido; por isso janelas e portas devem estar fechadas . Como estamos no inverno você pode optar por manter um aquecedor ligado no ambiente do banho.

Inicie o processo lavando a banheira com água e sabão antes e depois comece a encher com água morna, com temperatura aproximada de 36 a 37,5 graus ; a pele do bebê é mais sensível que a nossa, por essa razão a água não pode estar muito quente. Para testar a temperatura você pode utilizar termômetros específicos para o banho ou seu corpo , colocando o cotovelo ou a região anterior do punho na água . Lembre-se de retirar anéis, pulseiras e relógios antes do banho , você pode, sem querer, arranhar seu pequeno. NUNCA deixar o bebê dentro da banheira enquanto ela estiver enchendo, pois a temperatura da água pode mudar e você pode se enganar com a profundidade. Se ele já fica sentado, nunca coloque água acima da linha da cintura.

banho+bebe1.png

Ao colocar o bebê na água , ele deve estar sentado, mas um pouco na vertical, cerca de 45 graus. Inicie o banho passando uma das mãos em volta das costas da criança, e segure o braço com o polegar e o indicador, em seguida comece com a outra mão lavando a face e cabeça ( você pode usar um shampoo), seguindo de cima para baixo pela região do tronco, barriga , membros, e deixando região genital por fim, evitando contaminações. Depois vire o bebê de costas, para isso coloque a palma da mão aberta no peitinho, e mantenha os dedos polegar e anular por baixo das axilas; ensaboe o dorso também de cima para baixo, deixando o bumbum por último . Terminado de lavar costas e bumbum é hora de desvirar o bebê. Para isso passe a mão direita por baixo, apóie a palma da mão no tórax. Assim que ele estiver seguro, retire a mão esquerda, coloque-a nas costinhas do seu filho e vire-o delicadamente.

Após banho enrole o bebe numa toalha com capuz e coloque-o no trocador ou alguma superfície plana. Enxugue delicadamente, iniciando pela face e cabeça, descendo para o restante do corpo e deixando o bumbum e genitais por último. Muita atenção para as dobrinhas , como pescoço, axilas e virilha, seque-as bem com uma fralda de pano ou toalha de fralda, evitando as assaduras . Limpe o coto umbilical com álcool 70%, você pode usar o cotonete ou gaze estéril.

banho bebe4.jpg

Devo usar hidratante? Normalmente a dos bebês raramente necessita de hidratantes ou loções pós banho. O pH da pele é ácido, o que ajuda a criar uma espécie de barreira protetora contra germes. Se, ainda assim, você quiser usar um desses cosméticos no seu filho, converse com o pediatra e escolha um produto com pH neutro para não alterar essa barreira, com pouco perfume e poucos produtos químicos. Passe o creme contra assaduras de sua preferência , e coloque a fralda. Vista seu bebê de forma apropriada para a estação e com roupinhas confortáveis , o mais rápido possível , e após o banho deixo-o aquecido em uma manta ou em seu colo.

banho-bebe.jpg

Quantos banhos devo dar por dia? O ideal é apenas um banho, principalmente em recém nascidos ; se for necessário mais que um banho, tente usar o sabonete apenas em um deles. Não abuse de sabonetes e shampoos e evite produtos com  odores fortes , prefira produtos destinados para bebês .

Em caso de dúvidas pergunte sempre para seu pediatra ; nenhum post substitui a consulta .

Dra. Carolina Calafiori de Campos

CRM 146.649

Registro de Qualificação em Especialista - RQE 73944

Pediatra pela Sociedade Brasileira de Pediatria e Intensivista Pediátrica no Hospital da Puc Campinas e na Clínica Congenitus

Quadro “ Papo de Criança “ no Programa Saúde e Você

Colunista do site Raquel Baracat

Instagram : @dra.carolcalafiori

Facebook : Dra. Carolina Calafiori de Campos

Image-22.jpg

Carolina Calafiori de Campos

Coluna Pediatria

Dra Carolina Calafiori de Campos - CRM 146.649 RQE nº 73444 

Médica Formada pela Faculdade de Medicina de Taubaté, Especialização em Pediatria pelo Hospital da Puc Campinas, Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica pelo Hospital da Puc Campinas, Membro da Sociedade Brasileira de Pediatria - Contato: carolinacalafiori@hotmail.com  

 

Sarampo - Coluna Pediatria por Dra. Carolina Calafiori de Campos

No início do mês de junho, o Ministério da Saúde confirmou 31 novos casos de Sarampo no Brasil, sendo que a maioria desses casos ocorreu no estado de São Paulo, com 21 novas confirmações. No total, o Brasil atingiu a marca de 123 casos até o momento em 2019. Saiba o que é essa doença, como trata-la e preveni-la no texto abaixo.

sarampo 2.jpg
sarampo 1.jpg

O Sarampo é uma doença infecciosa aguda, vira. Transmitida pela fala, tosse e espirro, é extremamente contagiosa, mas que pode ser prevenida pela vacina.
O agente envolvido na causa da doença é o Vírus do Sarampo, que pertence ao gênero Morbillivirus, da família Paramyxoviridae.
A transmissão do Sarampo ocorre de forma direta, por meio de gotículas de muco ou salivas expelidas pelo doente ou até mesmo o contato direto com as secreções do nariz e da garganta das pessoas infectadas; por isso é elevado o poder de contágio da doença. O período de incubação do vírus (tempo entre a exposição ao agente da doença e início dos primeiros sintomas) é de 10 dias, até o aparecimento da febre e cerca de 14 dias até o início das lesões da pele.
Inicialmente os sintomas do sarampo são bem inespecíficos e duram de 1 a 6 dias : febre alta, acima de 38,5°C, dor de cabeça, mal-estar, tosse, coriza clara ( secreção pelo nariz) e prostração. No final desse período aparecem manchas brancas na mucosa oral , chamadas de manchas de Koplik ( veja na foto abaixo)

MANCHAS DE KOPLIK.jpg

 Após 1 a 3 dias do surgimento dessas manchas brancas na boca, temos o surgimento exantema cutâneo maculopapular, ou seja, manchas vermelhas que surgem primeiro no rosto e atrás das orelhas, e, em seguida se espalham pelo corpo na direção da cabeça aos pés. Essas manchas vermelhas tendem a permanecer por 3 a 4 dias, e nesse período a febre e a tosse se tornam mais intensas, os olhos ficam vermelhos e com secreção e a coriza passa a ser purulenta.

exantema maculopapular.jpg

O sarampo é uma das doenças que mais apresenta complicações, causadas tanto pelo próprio vírus do sarampo, como infecções secundárias por bactérias, sendo a infecção de ouvido (otite) e as pneumonias as mais comuns.

Existe algum exame que confirme a doença? Sim, podemos ter a confirmação laboratorial por meio da detecção de anticorpos antissarampo no sangue (IgG e IgM) , mas o exame clínico dessa doença é fundamental. E qual é o tratamento? Não existe tratamento
específico para o sarampo. É recomendável a administração da vitamina A em crianças acometidas pela doença, a fim de reduzir a ocorrência de casos graves e fatais.
Para os casos sem complicação devemos manter a hidratação, o suporte nutricional e diminuir a febre por meio de antitérmicos. Muitas crianças necessitam de quatro a oito semanas, para recuperar o estado nutricional que apresentavam antes do sarampo. As complicações como diarréia, pneumonia e otite média, também devem ser tratadas de acordo com a recomendação médica.


Como prevenir o sarampo? A vacinação é a única maneira de prevenir efetivamente a doença. O esquema vacinal é: VACINA TRÍPLICE VIRAL (SCR – Sarampo + Caxumba + Rubéola) aos 12 meses de idade e uma dose de reforço (2º dose) dos 4 aos 6 anos de idade.  Dessa forma todos os indivíduos de 1 a 29 anos devem ter DUAS doses da vacina do sarampo para serem considerados protegidos. Os adultos entre 30 e 49 anos, sem comprovação de nenhuma dose, devem receber pelo menos uma dose da vacina Tríplice Viral (SCR). Assim, o Brasil só voltará a erradicar o Sarampo, se conseguir vacinar 95% da população.

Preciso afastar meu filho doente da escola? Sim! O paciente deve ser afastado da creche, escola ou trabalho, durante todo o período de TRANSMISSIBILIDADE, que é de 4 a 5 dias antes dos sintomas até 4 dias após o aparecimento das lesões de pele.

Em caso de dúvidas procure sempre um médico, nenhum post substitui a consulta e o exame físico.

Image-22.jpg

Dra. Carolina Calafiori de Campos

CRM 146.649

Registro de Qualificação em Especialista - RQE 73944

Pediatra pela Sociedade Brasileira de Pediatria e Intensivista Pediátrica no Hospital da Puc Campinas e na Clínica Congenitus

Quadro “ Papo de Criança “ no Programa Saúde e Você

Colunista do site Raquel Baracat

Instagram : @dra.carolcalafiori

Facebook : Dra. Carolina Calafiori de Campos

 

O período dos mil dias - Coluna Pediatria por Dra. Carolina Calafiori de Campos

O período dos mil dias :


Você já ouviu falar sobre o período dos “mil dias” ? Ela é a fase mais importante em relação ao desenvolvimento físico e mental do seu filho , e corresponde às 40 semanas de gestação (280 dias) somados aos dois primeiros anos de vida da criança (730 dias). Mas porque esse período é tão importante ? É aqui que acontece o maior estirão de crescimento do ser humano! Um exemplo : nos primeiros mil dias, as células cerebrais podem fazer até mil novas conexões a cada segundo, uma velocidade única na vida do indivíduo .

Quanto mais estímulos a criança tiver, maior será o número de ligações entre os neurônios, aumentando a capacidade de aprendizado e levando o cérebro a fazer novas conexões. Mais que tipo de estímulo? São atividades simples como jogar bola , ver livros ilustrados , brincar de tinta, de esconder e aparecer e outras brincadeiras . Uma pesquisa recente feita pela Universidade Federal de Pelotas (RS), com 3.855 crianças, aos 2 e aos 4 anos, mostrou que as que têm contato com livros, visitam outras pessoas ou brincam em parques ou praças nos primeiros 720 dias de vida apresentam melhores resultados em testes específicos de memória, inteligência e cognição.

Além do desenvolvimento do sistema nervoso, os “mil dias” são importantes na maturação imunológica e na formação de bons hábitos alimentares, que aumentarão as chances da criança se tornar um adulto saudável.

E isso começa já na gestação , com uma boa alimentação da futura mamãe , o que é determinante para evitar as restrições ou excessos do crescimento intrauterino do bebê .

Image-39.png

Os “mil dias” também são um período em que se pode evitar as denominadas doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) durante a fase de vida adulta, como a síndrome metabólica, caracterizada por diabetes, dislipidemia e hipertensão arterial.

Image-40.png

O leite materno é o alimento que melhor atende às necessidades nutricionais dos lactentes e é indicado como alimentação exclusiva até seis meses de vida, associado à alimentação complementar a partir de então, e mantido até os dois anos de idade ou mais, como preconizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Os bebês em uso do leite materno exclusivo recebem quantidade de calorias suficiente para crescer, mas não superior à necessária, ganhando peso de forma mais lenta que lactentes alimentados com fórmula.

Image-41.png

O acompanhamento pelo pediatra durante a primeira infância e a consulta pediátrica durante o pós-natal são da maior importância para assegurar a correta orientação que permita à criança atingir seu melhor crescimento e desenvolvimento e construir uma vida saudável.

Image-42.png
Image-43.png
Image-22.jpg

Carolina Calafiori de Campos

Coluna Pediatria

Dra Carolina Calafiori de Campos - CRM 146.649 RQE nº 73444 

Médica Formada pela Faculdade de Medicina de Taubaté, Especialização em Pediatria pelo Hospital da Puc Campinas, Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica pelo Hospital da Puc Campinas, Membro da Sociedade Brasileira de Pediatria - Contato: carolinacalafiori@hotmail.com  

 

Teste do Pezinho - Coluna Pediatria por Dra. Carolina Calafiori de Campos

Na próxima semana , no dia 06 de Junho , comemoramos o Dia Nacional do Teste do Pezinho . Mas você já sabe o que é o Teste do Pezinho? Esse é um exame laboratorial que detecta precocemente doenças metabólicas, genéticas e infecciosas, que poderão causar alterações no desenvolvimento neuropsicomotor do bebê, e que quanto antes diagnosticadas, melhores serão as chances de tratamento.

Image-37.png

Esse exame é popularmente conhecido como teste do pezinho, pois a coleta do sangue é feita a partir de um furinho no calcanhar do bebê, pois essa é uma região rica em vasos sanguíneos e a coleta do sangue é feita rapidamente. O furo é quase indolor, mas mesmo ainda que pouca, a dor é uma sensação nova para o bebê , e por isso eles choram.

Image-38.png

Esse teste é realizado nas maternidades quando o bebê completa 48 horas de vida; antes disso o teste pode sofrer influência do metabolismo da mãe. O exame também é feito em laboratórios ou unidades básicas de saúde, e o ideal é seja feito entre o terceiro e quinto dia de vida do bebê. Basta apenas uma picada no calcanhar do bebê para retirar algumas gotinhas de sangue que serão colhidas num papel filtro e levadas para serem analisadas.

É importante você saber que existem diferentes tipos de exames do pezinho. O Sistema Único de Saúde (SUS) instituiu o Programa Nacional de Triagem Neonatal, que inclui o Teste do pezinho e que cobre a identificação das seguintes doenças: Fenilcetonúria (PKU), Hipotireoidismo congênito (HC) , Doença Falciforme e outras Hemoglobinopatias, Fibrose Cística , Deficiência de Biotinidase, e Hiperplasia Adrenal Congênita.

Hoje já existe uma versão ampliada do teste do pezinho onde é possível identificar mais de 30 doenças antes que seus sintomas se manifestem. Mas é ainda um recurso sofisticado e bastante caro, não disponível na rede pública de saúde.

O exame do pezinho é essencial para o desenvolvimento da saúde do seu bebê. Não esqueça que o exame convencional é obrigatório e gratuito, e para as seis doenças detectadas no SUS, há tratamento adequado , gratuito e com acompanhamento por toda a vida da criança.

Em caso de dúvidas procure sempre seu Pediatra, nenhum Post substitui a consulta.

Image-22.jpg

Carolina Calafiori de Campos

Coluna Pediatria

Dra Carolina Calafiori de Campos - CRM 146.649 RQE nº 73444 

Médica Formada pela Faculdade de Medicina de Taubaté, Especialização em Pediatria pelo Hospital da Puc Campinas, Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica pelo Hospital da Puc Campinas, Membro da Sociedade Brasileira de Pediatria - Contato: carolinacalafiori@hotmail.com  








Vacina da Gripe - mitos e verdades  - Coluna Pediatria por Dra. Carolina Calafiori de Campos

A gripe é coisa séria , ela afeta de 3 a 5 milhões de pessoas e mata , por ano , até 650 mil indivíduos. Mas , para prevenir essa doença, temos a vacina , e esse ano comemoramos os 20 anos do início das campanhas de vacinação contra o vírus da Gripe (influenza), realizadas pelo Ministério da Saúde. Nessas duas décadas , muita coisa mudou , então veja aqui quais os mitos e verdades em relação a vacina da Influenza :

Image-33.png

Quais os grupos que devem ser vacinados primeiro ? Gestantes e puérperas ( até 45 dias após parto ), maiores de 60 anos , profissionais da saúde , pessoas com doenças crônicas , população indígena , professores , pessoas privadas de liberdade , trabalhadores do sistema prisional, e as crianças; esse ano a faixa etária do público pediátrico, foi ampliada de 6 meses até 5 anos 11 meses e 29 dias.

Image-35.png

A vacina pode causar a gripe ? Mentira !!!! A vacina é feita a partir do vírus morto ( inativado ), portanto não há a menor chance de você ser vacinado e ficar doente por conta da vacina. Mas eu já ouvi relatos de gente que apresentou sintomas como febre, dor no corpo, coriza e cansaço , após receber a vacina? A explicação é simples: o imunizante demora de duas a três semanas para surtir efeito , nesse meio-tempo, você ainda corre o risco de se infectar , por isso a vacina é dada antes do inverno e do frio propriamente dito. Além disso, esses incômodos podem ser culpa de outros agentes infecciosos , como aqueles que causam o resfriado comum.

Image-34.png

É verdade que existem dois tipos de vacina ?sim! A trivalente que está disponível na rede publica e a quadrivalente , disponível somente na rede particular. 

Image-36.png

O que vai dentro das vacinas e qual a diferença entre elas ? Todo ano a Organização Mundial da Saúde (OMS) define quais as cepas de Influenza vão entrar na vacina. E como isso é definido ? Durante todo o ano são monitorizados quais tipos do vírus da gripe estão circulando e provocam os maiores estragos, em Setembro a OMS comunica esses grupos para que os laboratórios comecem a produzir as vacinas do próximo ano . Em 2019, os agentes escalados para a vacina trivalente, disponível na rede pública, foram:

A vacina trivalente tem na sua composição : 

- A/Michigan/45/2015 (H1N1)pdm09   

- A/Switzerland/8060/2017 (H3N2)

- B/Colorado/06/2017 (linhagem B/Victoria/2/87)

O vírus H1N1 se manteve o mesmo de 2018. Mas o H3N2 e o tipo B foram alterados em relação à versão anterior ( tem dois novos componentes!!!) . Se você tomar a vacina quadrivalente , além desses 3 componentes , temos a adição de uma SEGUNDA CEPA B : B/Phuket/3073/2013 ( representando a linhagem Yamagata ).

Na primeira vez que a criança receber a vacina na vida , ela deve receber duas doses? Sim! Duas doses com intervalo mínimo de 21 dias entre elas . Nos anos subsequentes passa a ser apenas uma dose. 

Eu preciso tomar a vacina todo ano ? SIM! O tempo de proteção dura em média um ano , por isso temos campanhas todo ano.

Se eu já tive gripe , posso ser vacinado ? Sim ! Pode e deve .

É verdade que nas grávidas a gripe é mais grave ? Sim. Por isso as gestantes devem ser vacinadas sempre e em qualquer trimestre !

Para finalizar o assunto vem a principal dúvida : É verdade que quem tem alergia ao ovo não pode ser vacinado ? Mentira ! Durante algum tempo a vacina contra gripe era sim contra indicada para pessoas alérgicas ao ovo, isso porque , durante o processo de fabricação , as partículas de vírus incluídas na vacina são cultivadas dentro da casca e usam a clara e a gema como substrato. Por isso EXISTIA o risco de ficarem traços de ovo no imunizante, o que poderia levar a uma reação anafilática séria.

Nos últimos anos, tivemos avanços que permitiram REDUZIR substancialmente a quantidade de ovo utilizada na produção das dose. Desde o ano passado uma atualização da diretriz de prática da vacinação contra o vírus Influenza, divulgada pelo Colégio Americano de Alergia, Asma e Imunologia revelou que a probabilidade de uma reação adversa alérgica é quase nula, uma vez que a quantidade de ovo utilizada para fabricação da vacina teve redução significativa.

Logo NÃO HÁ contra indicação para vacinar contra a gripe , pessoas alérgicas ao ovo .  Para os alérgicos ao ovo: se sua reação foi leve ( apenas urticária ) você pode tomar a vacina , em casos de alergia grave com anafilaxia ( quando a “ garganta fecha” ), você deve tomar a vacina , desde que esteja em um ambiente com monitoramento médico e retaguarda.

Cuidado com as fake news ! Em caso de dúvidas procure sempre seu médico , ou acesse o site da Sociedade Brasileira de Imunizações:https://sbim.org.br/

Lembrando que nenhum post substitui a consulta .

Image-22.jpg

Carolina Calafiori de Campos

Coluna Pediatria

Dra Carolina Calafiori de Campos - CRM 146.649 RQE nº 73444 

Médica Formada pela Faculdade de Medicina de Taubaté, Especialização em Pediatria pelo Hospital da Puc Campinas, Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica pelo Hospital da Puc Campinas, Membro da Sociedade Brasileira de Pediatria - Contato: carolinacalafiori@hotmail.com