Vacina da Gripe - mitos e verdades  - Coluna Pediatria por Dra. Carolina Calafiori de Campos

A gripe é coisa séria , ela afeta de 3 a 5 milhões de pessoas e mata , por ano , até 650 mil indivíduos. Mas , para prevenir essa doença, temos a vacina , e esse ano comemoramos os 20 anos do início das campanhas de vacinação contra o vírus da Gripe (influenza), realizadas pelo Ministério da Saúde. Nessas duas décadas , muita coisa mudou , então veja aqui quais os mitos e verdades em relação a vacina da Influenza :

Image-33.png

Quais os grupos que devem ser vacinados primeiro ? Gestantes e puérperas ( até 45 dias após parto ), maiores de 60 anos , profissionais da saúde , pessoas com doenças crônicas , população indígena , professores , pessoas privadas de liberdade , trabalhadores do sistema prisional, e as crianças; esse ano a faixa etária do público pediátrico, foi ampliada de 6 meses até 5 anos 11 meses e 29 dias.

Image-35.png

A vacina pode causar a gripe ? Mentira !!!! A vacina é feita a partir do vírus morto ( inativado ), portanto não há a menor chance de você ser vacinado e ficar doente por conta da vacina. Mas eu já ouvi relatos de gente que apresentou sintomas como febre, dor no corpo, coriza e cansaço , após receber a vacina? A explicação é simples: o imunizante demora de duas a três semanas para surtir efeito , nesse meio-tempo, você ainda corre o risco de se infectar , por isso a vacina é dada antes do inverno e do frio propriamente dito. Além disso, esses incômodos podem ser culpa de outros agentes infecciosos , como aqueles que causam o resfriado comum.

Image-34.png

É verdade que existem dois tipos de vacina ?sim! A trivalente que está disponível na rede publica e a quadrivalente , disponível somente na rede particular. 

Image-36.png

O que vai dentro das vacinas e qual a diferença entre elas ? Todo ano a Organização Mundial da Saúde (OMS) define quais as cepas de Influenza vão entrar na vacina. E como isso é definido ? Durante todo o ano são monitorizados quais tipos do vírus da gripe estão circulando e provocam os maiores estragos, em Setembro a OMS comunica esses grupos para que os laboratórios comecem a produzir as vacinas do próximo ano . Em 2019, os agentes escalados para a vacina trivalente, disponível na rede pública, foram:

A vacina trivalente tem na sua composição : 

- A/Michigan/45/2015 (H1N1)pdm09   

- A/Switzerland/8060/2017 (H3N2)

- B/Colorado/06/2017 (linhagem B/Victoria/2/87)

O vírus H1N1 se manteve o mesmo de 2018. Mas o H3N2 e o tipo B foram alterados em relação à versão anterior ( tem dois novos componentes!!!) . Se você tomar a vacina quadrivalente , além desses 3 componentes , temos a adição de uma SEGUNDA CEPA B : B/Phuket/3073/2013 ( representando a linhagem Yamagata ).

Na primeira vez que a criança receber a vacina na vida , ela deve receber duas doses? Sim! Duas doses com intervalo mínimo de 21 dias entre elas . Nos anos subsequentes passa a ser apenas uma dose. 

Eu preciso tomar a vacina todo ano ? SIM! O tempo de proteção dura em média um ano , por isso temos campanhas todo ano.

Se eu já tive gripe , posso ser vacinado ? Sim ! Pode e deve .

É verdade que nas grávidas a gripe é mais grave ? Sim. Por isso as gestantes devem ser vacinadas sempre e em qualquer trimestre !

Para finalizar o assunto vem a principal dúvida : É verdade que quem tem alergia ao ovo não pode ser vacinado ? Mentira ! Durante algum tempo a vacina contra gripe era sim contra indicada para pessoas alérgicas ao ovo, isso porque , durante o processo de fabricação , as partículas de vírus incluídas na vacina são cultivadas dentro da casca e usam a clara e a gema como substrato. Por isso EXISTIA o risco de ficarem traços de ovo no imunizante, o que poderia levar a uma reação anafilática séria.

Nos últimos anos, tivemos avanços que permitiram REDUZIR substancialmente a quantidade de ovo utilizada na produção das dose. Desde o ano passado uma atualização da diretriz de prática da vacinação contra o vírus Influenza, divulgada pelo Colégio Americano de Alergia, Asma e Imunologia revelou que a probabilidade de uma reação adversa alérgica é quase nula, uma vez que a quantidade de ovo utilizada para fabricação da vacina teve redução significativa.

Logo NÃO HÁ contra indicação para vacinar contra a gripe , pessoas alérgicas ao ovo .  Para os alérgicos ao ovo: se sua reação foi leve ( apenas urticária ) você pode tomar a vacina , em casos de alergia grave com anafilaxia ( quando a “ garganta fecha” ), você deve tomar a vacina , desde que esteja em um ambiente com monitoramento médico e retaguarda.

Cuidado com as fake news ! Em caso de dúvidas procure sempre seu médico , ou acesse o site da Sociedade Brasileira de Imunizações:https://sbim.org.br/

Lembrando que nenhum post substitui a consulta .

Image-22.jpg

Carolina Calafiori de Campos

Coluna Pediatria

Dra Carolina Calafiori de Campos - CRM 146.649 RQE nº 73444 

Médica Formada pela Faculdade de Medicina de Taubaté, Especialização em Pediatria pelo Hospital da Puc Campinas, Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica pelo Hospital da Puc Campinas, Membro da Sociedade Brasileira de Pediatria - Contato: carolinacalafiori@hotmail.com  

 

BRONQUIOLITE – entenda a doença que mais acomete os bebês no outono e inverno - Coluna pediatria por Dra. Carolina Campos

Pronto Socorro Infantil e consultórios de Pediatria lotados, muitas crianças com falta de ar e precisando de inalação, muita tosse e muito chiado no peito: um cenário comum , todos os anos, durante o outono e o inverno . Dentre as doenças respiratórias que mais acometem as crianças podemos citar a famosa Bronquiolite. Mas você sabe o que é essa doença? A Bronquiolite é uma infecção dos bronquíolos, que é o menor ramo da árvore brônquica, antes do ar chegar nos alvéolos pulmonares; ela acomete , principalmente , crianças menores de 2 anos e é causada por um vírus, sendo o mais comum deles o Vírus Sincicial Respiratório (VSR); os outros vírus causadores da Bronquiolite são :Parainfluenza, Influenza , Metapneumovírus e Adenovírus. A sazonalidade desse vírus ocorre a partir de março até junho, por isso nessa época aumentam os casos de Bronquiolite .

Image-25.png

      O vÍrus é transmitido a partir do contato das secreções contaminadas do doente com os olhos, nariz ou boca da criança sadia. O doente, ao levar sua mão à boca, nariz ou olhos, acaba contaminando as suas mãos e, ao tocar em outras pessoas ou objetos acaba espalhando o vírus. A criança sadia também pode se infectar ao respirar em um ambiente onde um doente, ao tossir, falar ou espirrar, deixou gotículas contaminadas com o vírus,  dispersos no ar. Daí a importância de NÃO levar os pequenos em ambientes fechados e aglomerados.

Image-23.png

      Os sintomas da Bronquiolite geralmente começam com uma leve tosse e coriza, acompanhada ou não de febre. Depois de 3 a 5 dias, a criança desenvolve mais problemas respiratórios, por conta da inflamação que ocorre nesses bronquíolos; iniciam sintomas como chiado no peito, piora da tosse, cansaço, dificuldade para respirar e falta de ar, Devemos estar atentos a sinais mais graves como retrações intercostais, em que os músculos ao redor das costelas afundam à medida em que a criança tenta respirar, respiração rápida, e batimento das asas nasais. Geralmente os sintomas duram uma semana, sendo o pico da doença em torno do terceiro dia.

      Doutora, existe algum medicamento para “ matar “ esse vírus causador da Bronquiolite? Não, o tratamento da doença baseia-se em alívio dos sintomas. Para a congestão nasal podemos utilizar umidificador e higiene das narinas, com ou sem aspiração nasal. Devemos sempre estar atentos com a hidratação do bebê, por isso certifique-se de que seu filho tome muito líquido durante esse período e monitore o xixi dele: você deve trocar em média 6 fraldas por dia, com urina abundante e clara.

Image-24.png

      Em relação ao tratamento medicamentoso, provavelmente seu pediatra pode usar uma medicação broncodilatadora (aquela que abre os brônquios), muitas vezes dada através de um nebulizador (inalação), antes de considerar a hospitalização. Caso o bebê não melhore com as inalações ou ele piore, fique mais cansado e a saturação de oxigênio no sangue fique baixa, pode ser necessário internação e uso de oxigênio continuo. Existem casos mais graves de crianças que não respondem a esses tratamentos e pode ter de ser colocada em ventilador mecânico (respirador), para ajudar seus pulmões, e assim devem permanecer internadas em UTI Pediátrica. A melhor forma de prevenir a Bronquiolite é manter o bebê longe do vírus que a causa, então evite o contato próximo com crianças ou adultos doentes. Se ele estiver em uma creche onde outras crianças possam ter o vírus, certifique-se de que os responsáveis por ele mantenham as mãos bem lavadas e também as mãos das crianças infectadas. E principalmente evite lugares com aglomeraçõs de pessoas ! Em caso de dúvidas procure sempre seu Pediatria ou um Hospital.

Image-22.jpg

Carolina Calafiori de Campos

Coluna Pediatria

Dra Carolina Calafiori de Campos - CRM 146.649 RQE nº 73444 

Médica Formada pela Faculdade de Medicina de Taubaté, Especialização em Pediatria pelo Hospital da Puc Campinas, Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica pelo Hospital da Puc Campinas, Membro da Sociedade Brasileira de Pediatria - Contato: carolinacalafiori@hotmail.com  

Regrinhas básicas de etiqueta e bom senso na visita ao recém nascido - Coluna Pediatria por Dra. Carolina Calafiori de Campos

Sabemos o quanto é maravilhoso a chegada de um recém nascido, mas saber preservar e respeitar o espaço do bebê e da família  nesse momento , também é um gesto de amor e carinho. É claro que você pode conhecer o bebê, mas antes fique atento para algumas orientações para visitar o recém nascido. Em primeiro lugar ligue antes de aparecer e combine com a família o melhor horário; o bebê pode estar na hora da soneca, que também é um dos poucos momentos que a mãe tem para aproveitar e descansar.

Image-20.png

Se você é fumante não fume no dia da visita e não use perfume algum, pois o olfato do bebê é muito sensível; sem falar na possibilidade de ele ter uma série de alergias ou restrições, que ainda não foram diagnosticadas. Não vá se estiver doente ,  o recém nascido ainda não tem o sistema imunológico  desenvolvido e nem tomou todas as vacinas, por isso ele fica mais suscetível a ação de vírus e bactérias. 

Image-21.png

A higiene deve ser reforçada, lavando bem as mãos e usando álcool gel. Também evite pegar e beijar as mãos do bebê. Já reparou que eles vivem colocando as mãos na boca? Então mesmo lavando suas mãos evite pegar nos dedinhos do pequeno e também não o beije. 


Se o bebê estiver dormindo não peça para a mãe acorda-lo , o mesmo serve se ele estiver mamando: jamais interrompa o momento da amamentação. Quer tirar foto do bebê ? pergunte antes para a mãe se ela autoriza , e se for fotografar não utilize flash.


Sei o quanto todos querem ajudar essa nova mamãe , mas tente segurar seus conselhos e dicas , principalmente  nessas primeiras semanas, quando ela ainda está se adaptando ao novo papel; conselhos inconvenientes e errados podem deixá-la irritada, insegura, triste. Faça uma visita rápida e se você chegar e já tiverem outras visitas , deixe a sua para outro dia .
E por último hora de mamar é a hora de ir embora .A amamentação é um dos momentos mais sensíveis e ansiosos para a mãe no pós-parto, então deixe-a sozinha com seu bebê e evite constrangimentos. 

Image-22.jpg

Carolina Calafiori de Campos

Coluna Pediatria

Dra Carolina Calafiori de Campos - CRM 146.649 RQE nº 73444 

Médica Formada pela Faculdade de Medicina de Taubaté, Especialização em Pediatria pelo Hospital da Puc Campinas, Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica pelo Hospital da Puc Campinas, Membro da Sociedade Brasileira de Pediatria - Contato: carolinacalafiori@hotmail.com