Coluna viagem - O que fazer em Cambridge em 24 horas?

“Esse post foi feito para você que vai fazer um bate-volta de Londres para Cambridge, ou que tem uma noite apenas na cidade. Com tão pouco tempo, o melhor é otimizar o seu roteiro ao máximo e planejar bem o que fazer em Cambridge nessas 24 horas. O o colunista Felipe Mortara (Segredos de Viagem), que já morou na cidade quando pequeno e voltou várias outras vezes, dá a letra e te mostra o que você não pode perder por lá. 

FOTO-1-Capela-do-King’s-College-é-o-principal-cartão-postal-de-Cambridge (1).jpg

A ciência costuma sempre elaborar uma hipótese e aplicar experimentos para comprová-la ou contestá-la. A Universidade de Cambridge é um polo de excelência científica há mais de 800 anos. Na minha recente visita por lá resolvi aplicar a teoria de que basta um bate-volta de Londres para conhecê-la. Quer saber o resultado? Não é verdade. A cidade é bem mais complexa e fascinante do que parece a quem nunca pisou lá e vale pelo menos dois dias inteiros (ou pelo menos uma noite, vai…).

A proximidade da capital – fica a 101 quilômetros, ou seja, 1h20 de trem ou 1h40 de ônibus – dá a falsa ilusão de que é só chegar, correr visitando os principais colleges, e retornar no fim do dia. Dá para fazer assim? Claro que dá, mas você terá perdido a chance de conhecer melhor uma das joias da coroa britânica do turismo histórico e de conhecimento.

O mesmo vale para a famosa cidade de Oxford, a 83 km de Londres, também universitária e com a qual Cambridge mantém uma antiga rivalidade. Uma disputa saudável, que impulsiona a ciência, a tecnologia e o saber no mundo. Ah, e todo ano desde 1829, equipes das duas universidades disputam anualmente uma corrida de remo no Rio Tâmisa, em Londres. A próxima Boat Race será dia 7 de abril de 2019.

Qual a importância de Cambridge?

Essencialmente a principal atividade é deslumbrar-se com o poder do conhecimento. A Universidade de Cambridge foi fundada por dissidentes de Oxford em 1209 e passou séculos aprofundada nos estudos matemáticos, para depois seguir também pela biologia e física.

Por lá viveram e produziram algumas figuras que você talvez conheça, como Isaac Newton, Charles Darwin e Stephen Hawking. Coisas incríveis para a humanidade aconteceram por lá, como o a descoberta da estrutura do DNA pelos cientistas James Watson e Francis Crick nos anos 1950. E também a quebra de códigos nazistas por Alan Turing, que resultou no fim da Segunda Guerra Mundial.

Mas afinal, o que fazer em Cambridge em 24 horas? 

Passear pela cidade é perder-se pelos 31 colleges. Vou tentar explicar. É mais ou menos como se Cambridge fosse a Cidade Universitária da USP e cada uma das faculdades fosse um college. Só que você pode estudar praticamente todos os temas em cada um dos colleges. Pode até dar uma confusão e a sensação de que a cidade inteira é a universidade em si. E no fundo é bem isso mesmo. Mas antes de começar a entrar de cabeça na vida que gravita ao redor da Universidade de Cambridge, comece com um programa mais contemplativo e igualmente imperdível. 

-Passeio de punt pelo Rio Cam

O Rio Cam corta a cidade e eu não deixaria de fazer um passeio a bordo dos punts, pequenas canoas quadradas empurradas por uma vara que o barqueiro apoia no fundo do rio. Custa 20 libras e recomendo ir com a tradicional Scudamore’s, ativa desse 1910.

FOTO-4-–-Passeio-de-“puting”-pelo-Rio-Cam-passa-sob-a-Ponte-dos-Suspiros.jpg

Tour pelos colleges da Universidade de Cambridge

Zanzar pela rua principal é descobrir que ela muda de nome de acordo com o college diante do qual você está. Ela começa St. John’s Street, vira Trinity Street e depois, a famosa King’s Parade. Estes são alguns dos principais colleges e que têm visitas guiadas ao longo do dia.

O St. John’s e o King’s cobram 10 libras para entrar, o que dá uma bela baqueada no orçamento, mas vale muito a pena, principalmente se seguir um tour. O Trinity é mais singelo, custa apenas 3 libras, mas sem poder entrar na sua famosa biblioteca, a Wren Library, de 1695, onde estão originais de Newton e Shakespeare.

Uma ótima opção é fazer um tour de 90 minutos com ex-alunos da universidade no Cambridge Alumni Tours por 10 libras – o lance é reservar até uma hora antes no quiosque na frente da igreja de Great St. Mary’s, na porta do King’s College. Se comprar online é mais caro (17,50 libras). O tour entra em alguns colleges e te enche de informações úteis para você entender a dimensão daquela beleza toda. Aliás, a igreja é linda e subir na torre (4 libras) pode valer a pena em dias bonitos 

FOTO-6-–-O-prédio-“novo”-do-St.-John’s-data-de-1831.jpg

Os prédios são majestosos e você pode ver exemplos fantásticos de arquitetura gótica, como a esplêndida Capela do King’s College. Só tenho fotos de fora dela por um simples motivo: não quis pagar 10 libras para visitá-la. Aqui vai uma dica preciosa para você, um verdadeiro segredo de viagem: diariamente, às 17h30 há uma missa aberta, gratuita e maravilhosa com o coral de meninos (chamam “services”, em inglês). Chegue às 17h na fila. O único porém é que não é permitido fotografar nem filmar DE JEITO NENHUM. Há tempos eu não passava uma hora sem ver sequer um celular ao redor.

-Ponte dos Suspiros, na St. John’s college

O St. John’s é um sonho de lugar. Os jardins são inacreditáveis e dá para passar uma manhã curtindo por ali. O prédio mais antigo é do século 16, e o prédio “novo” foi inaugurado em 1831 e é muito simbólico. Foi uma das locações mais usadas no filme A Teoria de Tudo (2014), que narra a trajetória do físico Stephen Hawking. Mas o destaque do St. John’s é a famosa Bridge of Sights, ou Ponte dos Suspiros, também de 1831, que atravessa o Rio Cam. Passar de punt por debaixo da ponte é de arrancar suspiros, literalmente.  

Não é por frescura nem mimimi que não se pode pisar na grama, trata-se de simbolismo apenas. Só professores e fellows, alguns poucos alunos condecorados por seus trabalhos, podem usufruir do privilégio. Pode reparar: quem pisa na grama geralmente tem cabelo branco… Enfim, aproveite os “Backs”, os fundos dos colleges são tão lindos quanto as fachadas nas ruas.

-Mathematical Bridge, em Queen’s College

Entre as maravilhas do passeio de punt pelo Rio Cam, a Mathematical Bridge é tida como uma das mais intrigantes. Fica dentro do Queen’s College e o mais comum é contemplá-la da Silver Street Bridge. Alguns guias podem tentar enganá-lo dizendo que foi erguida por Isaac Newton, mas ele já estava morto há 20 anos quando a ponte foi erguida, em 1749. O projeto da Wooden Bridge, como é chamada oficialmente, foi feito por William Etheridge e construído por James Essex e, dizem, é toda feita com vigas encaixadas, sem pregos.

FOTO-7-–-A-Mathematical-Bridge-é-um-projeto-ambicioso-de-engenharia-1024x640.jpg

Fitzwilliam Museum

Fitzwilliam Museum é um museu com coleções arqueológicas comparáveis ao inigualável British Museum, em Londres. Seções do Egito, da Mesopotâmia, da Ásia e de Chipre reúnem objetos impressionantes. Moedas e medalhas da Grécia e da Roma antiga também encantam. É tudo parte do acervo multicentenário de anos de pesquisa da Cambridge University. E tudo com um ar de museu de bairro, pequenino, tudo perto e acessível. Dá quase para achar que é tudo uma grande coleção de um tio avô distante. É o máximo.

FOTO-8-Fitzwilliam-Museum.jpg

Centro de Cambridge

Fora isso tudo, não deixe de dar uma boa volta pelo centrinho. O Market Square abriga uma feira diária, com frutas, legumes, embutidos e queijos. Tudo muito saboroso e fresco. O All Saints Garden Art, na frente do Trinity College tem ótimas ofertas de artesanato regional delicado e a bons preços.

Ali do lado, a Grand Arcade é uma galeria que reúne algumas das principais marcas inglesas, como Marks & Spencer, Boots, Clarks, etc… Vizinho, o Lion Yard Shopping Centre é mais tímido, mas tem uma série de lojas e uma casa de câmbio com boa cotação.

FOTO-9-–-Centrinho-de-Cambridge-tem-feiras-e-lojinhas-para-todos-os-gostos.jpg

Pubs famosos, e muito bem frequentados

Antes de ir embora, não deixe de brindar sua visita a Cambridge com um pint de IPA no Anchor Pub, na beira do Rio Cam, onde o Pink Floyd se reunia no começo da banda. Ou então no The Mitre, fundado em 1754, na Magdaleine St., bem do ladinho do St. John’s College.

A essa altura você já deve estar cansado e pronto para ir pro hotel dormir, ou tem que voltar para Londres e está morrendo de vontade de passar mais um dia em Cambridge. De todo modo terá aproveitado bem a cidade, e nada mau esse tanto de conhecimento e informação passando apenas um dia em Cambridge, não é mesmo? “

Fonte: https://segredosdeviagem.com.br/2019/03/o-que-fazer-em-cambridge/

Blogueiros, bullying e Harry Potter – Trio responsável pelo sucesso da bolsa mais hit de todos os tempos! Entretenimento por Milena Baracat

Quando descobriu que sua filha de oito anos estava sofrendo bullying na escola e sem vaga em nenhuma outra estadual, a britânica Julie Deane transformou seus problemas numa lucrativa iniciativa para arrumar os R$ 5 mil mensais para pagar os estudos dos filhos num ensino particular - abriu a empresa de bolsas The Cambridge Satchel Company.

Com um design único, suas bolsas de couro estilo carteiro se tornaram um SUCESSO ABSOLUTO!

A grande inspiração veio do interesse em comprar as pastas que Harry Potter e seus amigos usavam na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwartsum enquanto lia a saga para seus filhos.

Deane descobriu que não existia esse modelo em lugar algum. Então, pegou os R$ 2.500 que tinha de suas economias, procurou um fabricante para terceirizar a produção das pastas e usou o chamado marketing de guerrilha (que utiliza várias vias de marketing) para entrar em contato com jornalistas e blogueiros de moda patrocinando-os e presenteando-os com modelos de suas coleções. , inclusive produzindo peças exclusivas baseadas em pedidos dos mesmos.

Causou tanto burburinho nas mídias sociais e o famoso “boca-a-boca” em blogs especializados, que em pouco tempo a bolsa virou uma febre entre os fashionistas e celebridades e em menos de um ano havia centenas de pedidos em seu site.

O ponto certeiro veio em setembro de 2011, quando a revista Elle do Reino Unido pediu que Deane produzisse uma peça brilhante para um novo trend fluorescente que estava por vir.

Ela produziu as peças e enviou aos blogueiros que estavam cobrindo a semana de moda de New York.

“Assim ficamos famosos; o “New York Times” e o “New York Post” nos chamaram de “estilo de rua na semana de moda de New York”“.

Quando abriu sua primeira loja física no Londres Convent Garden- uma loja de dois pisos dedicou a parte de baixo inteira aos blogueiros de moda.

“Tenho certeza absoluta que os blogueiros foram as pessoas que começaram meu negócio. Estou muito feliz com este espaço, acho que é um meio muito tangível de agradecer a comunidade que tanto me ajudou.”, disse Deane.

Hoje, o que começou na cozinha de casa, é uma empresa com fábrica própria que produz cerca de 600 bolsas por dia, lucros anuais superiores a R$ 60 milhões e produtos colocados em mais de 120 países nas mais famosas lojas de departamento como: Harrods, Harvey Nichols, Bloomingdale’s e Saks, além de suas três lojas em Londres, incluindo uma loja em Covent Garden e Cambridge. E o mais importante: é uma das maiores apoiadoras de organizações contra bullying do Reino Unido.

A grande questão é que a Cambridge Satchel Company é muito mais do que uma marca, é a história de coragem de uma mãe “cabeça aberta” misturada com boas ideias que serve de incentivo e inspiração.

Tanta gente que vive reclamando da vida e não faz nada pra melhorar. É a tal da auto piedade.

O que você me diz disso?

Se a vida te oferecer um limão você faz uma limonada ou fica reclamando que está azedo?

 FONTE: American Express OPEN / Mashable/ Google- FOTOS REPORODUÇÃ APENAS PARA DIVULGAÇÃO

Milena Baracat

 

Formada em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). 

Atualmente atua com profissionais  no desenvolvimento, tratamento de acervos, informatização e tecnologia da informação aplicada para bibliotecas particulares e privadas.