Em sua primeira edição em Campinas, Helvetia tem como atração principal Make U Sweat

Trio de DJs retorna a cidade no sábado (29) para apresentação na Fazenda Santa Margarida

IMG_9203_TRATA-696x509.jpg

O Make – Make U Sweat, formado por Dudu Linhares, Guga Guizelini e Pedro Almeida, comanda a noite em Campinas no sábado, 29 de junho. O trio de DJs sobe ao palco da Helvetia e promete agitar o público em mais uma grande farra na Fazenda Santa Margarida.

 No repertório um dos destaques é “Tempos Modernos” em parceria com Lulu Santos, a versão oficial de “Não Quero Dinheiro”, com participação de Tiago Abravanel e Jetlag, além da pareceria com Raimundos “Mulher de Fases” recém lançada em todas as plataformas digitais com clipe de empoderamento feminino.

 

O Make já conquistou os amantes da música eletrônica pelas pistas mais badaladas do país por conta da energia e irreverência que transmitem no palco. A personalidade e a vasta experiência de cada um se completa e, juntos, eles criam uma identidade marcante que só pode ser sentida no calor das pistas.

SERVIÇO
Make U Sweat na Helvetia em Campinas

Onde: Helvetia- Fazenda Santa Margarida - R. Rubens Gomes Balsas, 311 - Joaquim Egídio, Campinas - SP,

Quando: sábado (29), a partir das 23h

Classificação etária: 18 anos

Ingressos: https://www.ingresse.com/helvetia

 Sobre Make

Make U Sweat, trio que está fazendo muito barulho no cenário da música eletrônica nacional, é composto por Dudu Linhares, Guga Guizelini e Pedro Almeida. Desde 2015 o trio tem parceria com a Live Talentos, quando lançou seu primeiro single “Truth or Dare”. Desde então, não param de crescer e conquistar espaço nas melhores baladas e festivais no Brasil e no mundo.

 Tocando juntos há 7 anos, os DJs já deixaram sua marca em festas como Ultra Music Festival, Na Praia, Reveillon Celebration, Premium Festival Gramado, Festa do Patrão, Surreal Brasília, Camarote Salvador, Camarote Super Bull e Camarote Número 1. Além disso, têm uma festa própria, a “Puta Farra”, que já passou por São Paulo e Belo Horizonte, reunindo diversas outras atrações da música eletrônica com um público de mais de 30 mil pessoas em mais de 10 horas de música.

 

 

Músicos do Instituto Anelo viajam para a África do Sul

No próximo dia 24 de Junho, um grupo de sete músicos do Instituto Anelo, de Campinas (SP), embarca para a África do Sul para participar pela primeira vez do Standard Bank National Youth Jazz Festival. Trata-se de um seminário e festival de música que será realizado entre os dias 26 de Junho e 1º de Julho de 2019 na cidade de Makhanda (antiga Grahamstown), que fica a 857 quilômetros da Cidade do Cabo e a 837 quilômetros de Joanesburgo.

da-esquerda-para-direita-em-pe-josias-tercio-deivyson-filipe-e-vinicius-sentados-luccas-e-maarcelo-credito-lala-ruiz.JPG

O grupo que viaja reúne músicos experientes e jovens talentos que atuam como educadores e colaboradores do Instituto Anelo, uma associação sem fins lucrativos que oferece aulas de música no distrito do Campo Grande, periferia de Campinas. São eles: Deivyson Fernandes (piano), Filipe Lapa (bateria), Josias Teles (baixo), Luccas Soares (voz e acordeon), Marcelo Louback (saxofone), Tércio Pereira (percussão, flauta e saxofone) e Vinícius Corilow (saxofone e flauta).

Já o Standard Bank National Youth Jazz Festival é um dos mais importantes programas de desenvolvimento do jazz na África do Sul. Este ano vai reunir 350 estudantes e 50 professores sul-africanos, mais 90 músicos e educadores de diversas nacionalidades. Além de participar de cursos, o grupo de Campinas dará dois workshops (um sobre ritmos brasileiros no dia 28/6 e outro sobre música instrumental brasileira no dia 1º/7) e fará um show no dia 29/6.

De acordo com Luccas Soares, fundador e coordenador do Instituto Anelo, o convite para participar pela primeira vez do Standard Bank National Youth Jazz Festival chegou à instituição por intermédio do pianista, acordeonista, compositor e arranjador Guilherme Ribeiro. Ele é regente da Orquestra Anelo, big band formada por professores, alunos e colaboradores do Anelo, e será um dos professores do festival em Makhanda.

“Um convite como esse requer uma preparação, não só do Instituto Anelo como também dos músicos. Para o Instituto significa que os nossos músicos, que a qualidade de ensino do Anelo, têm um nível importante. É um festival renomado, é um festival que tem tradição, é para mais de 300 alunos. E além de participarem do curso, os músicos do Anelo também vão para ensinar. Isso é muito legal, ou seja, o Anelo está indo para aprender e para ensinar”, afirma Luccas.

Fora isso, lembra o coordenador, há o ganho com o contato com outra cultura e a questão da organização financeira por parte dos músicos – todos estão bancando as próprias despesas com a realização de shows, rifas e bazares, entre outras iniciativas. Além disso, alguns viajarão pela primeira vez. “É uma viagem de formação, não é uma viagem de turismo. Vai ser um ganho para o currículo tanto do Anelo como dos músicos. Está todo mundo ansioso”, diz Luccas.

Segundo ele, um desafio grande vai ser o idioma, o que reafirma a necessidade do ensino de inglês no Anelo. “Todo mundo está preocupado em falar inglês”, revela. Ele também acredita que a viagem é uma quebra de barreira ao possibilitar que jovens da periferia da cidade alcancem outros horizontes e tenham uma experiência fora do seu ambiente. “O jovem é da periferia, mas ele não precisa viver exclusivamente ali, ele pode conhecer o mundo, a música possibilita isso.”

E completa: “Se a gente pegar quantos jovens da região do Campo Grande, que já tem quase 200 mil habitantes, que têm essa oportunidade de viver uma experiência internacional, o número é quase zero”. Pessoalmente, Luccas Soares revela a ansiedade de conhecer o país do Nelson Mandela (1918-2013), o grande líder da África Negra. “Tem uma importância muito grande. Tem uma coisa muito especial por tudo o que o Mandela significa e pelo que já aconteceu por lá.” Nelson Mandela



Quem são os integrantes da Banda Anelo que viajam para a África do Sul:

DEIVYSON FERNANDES

Deivyson Fernandes tem 24 anos e é produtor musical, pianista e compositor. Músico desde os 6 anos de idade, vem de uma família de músicos – seu pai foi seu primeiro professor. Teve algumas bandas na adolescência, mas decidiu tornar-se músico profissional quando ingressou na Orquestra da igreja que frequentava.

Aos 18 anos começou a tocar na noite e integrou por dois anos um grupo chamado Banda Mandalas. Tocou com artistas gospel como Marquinhos Gomes, e também com artistas da região de Campinas, como José Paulo (regente da Orquestra da cidade de Cosmópolis) e Marcelo Louback. É professor no Instituto Anelo e faz parte da Orquestra Anelo.

FILIPE LAPA

Filipe Lapa tem 21 anos e estudou bateria no próprio Instituto Anelo, entre 2007 e 2012. Depois, de 2013 a 2014, estudou no Conservatório Souza Lima, na cidade de São Paulo. Em 2013, fez parte da banda do musical O Despertar da Primavera, apresentado em Campinas. No ano seguinte, participou da gravação do CD Banda Anelo – Vila dos Meninos.

Em 2017, esteve no Arcevia Jazz Feast em Arcevia, na Itália, quando tocou com Mike Rossi na Big Band do festival. Trabalhou com músicos reconhecidos de Campinas, tais como o pianista Albano Sales e o multi-instrumentista Ricardo Matsuda. Estuda bateria com Bruno Tessele e de prática de banda com Felipe Silveira e Paulinho Vicente. É professor do Anelo e faz parte da Orquestra Anelo.

JOSIAS TELES

Tem 31 anos e é músico desde 2005. Começou tocando violão e guitarra, tendo estudado com os professores Manassés Lima e Fernando Baeta, entre outros. Participou do curso livre de música na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), no projeto Unibanda, e trabalhou como músico free lancer acompanhando artistas da região de Campinas.

Trabalhou como produtor musical e começou a tocar contrabaixo em 2011. Atualmente, entre outras atividades, trabalha como produtor e arranjador no estúdio IMEC, em Campinas; como produtor musical do cantor Fabio Ferrari; é professor de contrabaixo e violão no Instituto Anelo; além de integrar a Orquestra Anelo.

LUCCAS SOARES

Luccas Soares tem 39 anos e é fundador e coordenador do Instituto Anelo. Começou a tocar teclado aos 17 anos, como autodidata. Teve aulas de piano e acordeon com o compositor e maestro Guilherme Ribeiro. Estudou no Conservatório Dramático e Musical Dr Carlos de Campos de Tatuí (SP), um dos mais prestigiados do Brasil, e no Conservatório Souza Lima, em São Paulo (SP).

Fundou o Instituto Anelo em 2000. Também trabalhou como professor de música na cidade de Valinhos. Participou do Arcevia Jazz Feast, na Itália, nos anos de 2015 a 2018, tendo estudado com nomes de destaque como a cantora italiana Susanna Stivali.

MARCELO LOUBACK

É graduado em Música Popular Brasileira e Jazz pelo Conservatório Dramático e Musical Dr Carlos de Campos de Tatuí (SP), onde foi aluno de Vinícius Dorin, David Richards, Roberto Sion, Paulo Braga, Mario Campos e maestro Branco. Gravou, com o Marcelo Louback Trio, o CD Contra Mão. Também lançou o CD solo Instrumental Gospel, com Hinos da Harpa e Cantor Cristão.

Aos 41 anos, já se apresentou com artistas como André Marques, Cleber Almeida, Baterista Nenê, Mônica Salmaso, Chico César, Mazinho Quevedo e Toquinho, entre outros, além de ter participado da gravação de mais de 80 CDs ,DVDs, programas de TV e rádio e festivais nacionais e internacionais de música. É integrante da Orquestra Anelo.

TÉRCIO PEREIRA

Tem 39 anos. Participou do curso livre de música na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), no projeto Unibanda, onde aprendeu teoria musical, saxofone e flauta transversal. Tocou na Orquestra da Unicamp e na Banda Carlos Gomes, ambas da cidade de Campinas, e estudou MPB/Jazz no Conservatório Dramático e Musical Dr Carlos de Campos de Tatuí (SP).

Estudou no Conservatório Souza Lima, em São Paulo (SP). Também é formado em Áudio Digital, Pedagogia e é arranjador. Participou do Arcevia Jazz Feast na cidade de Arcevia, na Itália, em 2015 e 2016. Atualmente é professor/educador do projeto Prática de Banda, do Instituto Anelo, além de fazer parte da Orquestra Anelo.

VINÍCIUS CORILOW

Saxofonista, flautista, clarinetista e arranjador de 32 anos, teve aulas com Flávio Corilow e com Celso Veagnoli, este último na graduação do curso de Música Popular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Participou de workshops e aulas em festivais com Mané Silveira, Vitor Alcântara, Mike Tracy (USA) e outros.

Muito atuante no cenário do jazz e da música popular brasileira instrumental em Campinas e São Paulo, participa de vários grupos e já atuou com nomes importantes, tais como Airto Moreira, Toquinho, Fawzi Berger (França) e Orquestra Sinfônica de Campinas. Atualmente é professor e coordenador musical do Instituto Anelo, além de fazer parte da Orquestra Anelo.

Link de vídeo:

https://www.youtube.com/watch?v=1-upPM0ZBGY



Mais informações:

www.anelo.org.br

https://www.facebook.com/youthjazz/?epa=SEARCH_BOX


Prédio que toca música quando chove atrai turistas na Alemanha

Localizado em Dresden, o edifício se transforma em um gigante instrumento musical ao cair das gotas d’água

Prédio-que-toca-música-quando-chove-atrai-turistas-na-Alemanha-2.jpg

Durante uma viagem, é comum torcer para que o sol brilhe forte em um céu azul e para que nenhuma chuva apareça para evitar contratempos, certo? Bom, mais ou menos. Na Alemanha, mais especificamente em Dresden, turistas do mundo todo aguardam ansiosos a chuva chegar. O motivo? Há um prédio que toca música ao cair das gotas d’água.

Funciona assim: um sistema de drenos, calhas e funis fica anexado do lado de fora do prédio de paredes coloridas. Quando chove, o conjunto de tubos capta  a água pluvial que, ao escoar, emite diferentes sons. Podemos dizer que o prédio se torna um gigante instrumento ao ar livre.

Arte, música e um pouquinho de chuva 

O prédio faz parte de um complexo conhecido como Neustadt Kunsthofpassage, composto por cinco edifícios de diferentes temas localizados no bairro Neustadt. Há o prédio das luzes, dos animais, das criaturas míticas, da metamorfose e, claro, o da música.

O prédio da música, o mais procurado de todos, é obra da escultora Anette Paul e dos designers Christoph Rossner e André Tempel, que curiosamente vivem no edifício. Segunda Anette, a inspiração veio do tempo em que vivia em São Petersburgo, na Rússia, onde os dias cinzentos criavam verdadeiras sinfonias com o som da água batendo nas janelas.

Com um espetáculo desses, tomar chuva deixa de ser um problema e acaba se tornando um verdadeiro deleite para diversos turistas. Se você também deseja conhecer o complexo Kunsthofpassage em Dresden, o acesso é gratuito e o comércio local, que reúne diversas lojinhas e cafeterias charmosas, funciona de segunda a sexta, das 13h às 19h. Já aos sábados e domingos, fica aberto das 10h às 20h.

Kunsthofpassage
Görlitzer Str. 21-25, 01099 – Dresden
Segunda a sexta das 13 às 19h/ Sábados e domingos das 10h às 20h

Fonte: https://www.guiaviajarmelhor.com.br/predio-que-toca-musica-quando-chove-atrai-turistas-na-alemanha/?fbclid=IwAR04ooVPbaxVgL8Xf1rH-5dyXAOI5rnmX1rnVatFIHsF5Oors69hf1TC4Ss

Sonia Rubinsky (pianista e ganhadora do Latin Grammy Awards) é nossa nova colaboradora do site, confira data de seu recital

Sônia Rubinsky é nossa nova colaboradora do site, confira seu próximo recital:

Sobre a pianista: A pianista campineira radicada na França, Sonia Rubinsky foi vencedora do Latin Grammy Awards (2009) e destacada como Melhor Recitalista do Ano pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) de São Paulo (1993).

unnamed.jpg