O real motivo porque Kendall Jenner está dando um tempo das passarelas

Kris Jenner recebe ligação desesperada da filha em novo clipe de Keeping Up With The Kardashian

1518780547542475-kendall-jenner-skin-makeup.jpg

Uma das maiores queridinhas dos designers, Kendall Jenner não desfilou para nenhuma marca durante a última edição da NYFW.

Sempre presente ao lado das suas amigas e também tops Kaia Gerber e as irmãs Hadid, Jenner participou apenas de uma apresentação da Adidas como parte do calendário da semana de moda de Nova York. 

 

Um novo teaser de "Keeping Up With The Kardashians" revelou o real motivo: na cena, Kendall liga para sua mãe, Kris Jenner, enquanto tem um ataque de pânico. Sua mãe então larga tudo – inclusive Kim e seu bebê recém-nascido – para levar a filha até o hospital.

 

"Kendall luta com a ansiedade. Os sintomas pioram ainda mais durante as semanas de moda, porque ela tem que viajar muito", Kris desabafa. A modelo já pulou algumas temporadas, como em 2016, acredita-se pelo mesmo motivo. 

Vamos acompanhar e torcer para termos a top de volta! 

 Fonte: https://www.revistalofficiel.com.br/pop-culture/o-real-motivo-porque-kendall-jenner-esta-dando-um-tempo-das-passarelas

‘’Gucci Cyborg ‘’ - um espetáculo à parte em plena passarela da semana de moda de Milão - Coluna Entretenimento por Milena Baracat

O diretor criativo da Gucci, Alessandro Michele, se inspirou no instigante ensaio da filósofa e bióloga feminista Donna Haraway - “Manifesto ciborgue. Ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX” - para a semana de moda em Milão.

A proposta da marca: um ciborgue que não tem sexo; mostrando que o que vale é o que cada um quer ser.

“O ciborgue é uma criatura de um mundo pós-gênero”, explica Donna.

A grife italiana mergulhou nessa ideia e foi mais longe. “Gucci Cyborg” é pós-humana: tem olhos na testa, chifres de fauno e cabeças duplicadas. É uma criatura biologicamente indefinida e culturalmente ciente.

foto 1.png

A passarela ganhou ares de centro cirúrgico (comparando o trabalho de um estilista com o de um cirurgião - que recorta, reconstrói e reaproveita materiais), as cabeças dos modelos se tornaram acessórios e o público foi convidado a mergulhar nesse cenário lúdico fashion, com direito a filhotes de dragão.

foto 2.jpg
FOTO 3.jpg

Para conseguir tal feito, a Gucci fechou uma parceria com a empresa Makinarium, que fabricou os moldes das cabeças dos modelos, além de usar impressoras em 3D para fazer o design acabado. Segundo a Vogue, a inspiração veio do filme “The Tale of Tales” (O Conto dos Contos).

FOTO 4.png

Assista ao vídeo de um desfile que costurou referências aparentemente desconexas e inusitadas:

Fonte: Revista Vogue. Fotos Reprodução

Milena.jpg

Milena Baracat

Coluna Entretenimento

Coluna Esportes

Formada em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas).  Atualmente atua com profissionais  no desenvolvimento, tratamento de acervos, informatização e tecnologia da informação aplicada para bibliotecas particulares e privadas.

Moda de Passarela x Moda do Dia a Dia - Por Renata Esteves - Coluna Blogs que indico e moda e beleza

Você por acaso já olhou fotos de desfiles nacionais ou internacionais e pensou “Como usar isso no dia a dia?” ou ainda “ o que o estilista fez? Não dá para usar nada disso”.

 

Para entender bem como interpretar os looks desfilados vamos começar pelo processo do estilista: muito antes de pensar na roupa o designer busca por fotos, texturas, vídeos, musica e uma infindável caixa de ideias. Com tema definido, a criação se inicia. Muitas vezes, não é um método logico ou ainda um processo curto, para se ter uma ideia uma coleção demora meses para ficar pronta. E enfim, chega o dia do desfile.  Enquanto tudo é caos nos bastidores, críticos, fashionistas, jornalistas, celebridades e alguns leigos sentam a plateia prontos para o show. 

 

As luzes se apagam e finalmente as criações ganham vida. Até aí tudo bem, entra uma roupa feita com correntes, um tecido azul que aparenta jeans, e um salto rosa. Provavelmente ao olhar as imagens a baixo você possa ficar desorientado.

(Desfile Amapô verão 2016)

 

A primeira análise a ser feita é aquilo que está aos nossos olhos: as correntes em contato com a pele indicando transparência, o tecido azul e o rosa do sapato mostram uma mistura de cores. O seu segundo olhar deve ser voltado as formas da roupa e o modelo do sapato. Ou seja, decote canoa, a ideia de um macacão e o sapato que aparenta ser um modelo boneca de salto. A terceira observação é no subliminar: metálico presente nos aviamentos, botões e correntes, o tecido azul que parece jeans, a parte superior nos remete a uma camisa. O tecido que possui um trabalho matelassê. Os cabelos não tão lisos e coloridos e a maquiagem mais escura indicando o fim do visual cara lavada. E por fim, deve-se pensar na trajetória da marca, no caso a Amapô que é voltada ao jeans e  tem uma pegada jovem.

Por Renata Esteves

Imagens: FFW e Wikipédia.

Renata Esteves

 

Formada em Moda pela Faculdade Santa Marcelina, Renata Esteves é pós graduanda em jornalismo cultural na Unicamp. Seu gosto por escrever sobre o universo da moda foi o grande incentivador para a criação do site www.renataesteves.com.br