O truque do protocolo real que evita que Isabel II seja envenenada

Documentário revela os códigos usados entre a rainha e os chef's ao serviço da monarquia britânica.

img_800x533$2019_07_10_16_05_15_868197.jpg

Grande parte da vida pública da rainha Isabel II passa por banquetes e almoços ou jantares reais com um número extenso de convidados, cenário que podia ser visto como o ideal para um ataque à monarca britânica. O Palácio de Buckingham não descura a segurança da monarca em nenhum momento e, como tal, foi criado um protocolo de segurança para evitar que a rainha seja envenenada.

Segundo o documentário Segredos da Cozinha Real, citado pela imprensa britânica, para evitar que a monarca seja envenenada o prato que será servido a Isabel II é escolhido ao acaso entre todos os que estão prontos para serem servidos. Desta maneira, é impossível saber qual acabará colocado em frente à rainha, a não ser que se optasse por um envenenamento em massa. 

A comunicação entre a equipa do chef e a monarca também se baseia em códigos: "se for jantar fora, a rainha risca a página; se tiver convidados, acrescenta traços consoante o número de pessoas que vai receber".

Fonte: https://www.cmjornal.pt/mundo/amp/o-truque-do-protocolo-real-que-evita-que-isabel-ii-seja-envenenada

O chef Darren McGrady, que trabalhou para a rainha Isabel II, revelou que é a monarca que escolhe os menus que são servidos no palácio. O chef em funções, explicou McGrady, apresenta ideias para três dias - de modo a dar tempo de preparação - e as sugestões são depois levadas à monarca. "A rainha risca as opções que não quer ver servidas", relatou. Uma coisa é certa: seja qual for a escolha, não vai ter alho, nem muita cebola. 

O documentário revela também que a rainha prefere comida tradicional inglesa e francesa, enquanto o Príncipe Filipe é mais experimental. Além disso, quando faz as refeições em casa, Isabel II gosta de comer a ver televisão.

7 Coisas que você não sabia sobre a Família Real Brasileira (teve até troca de maridos entre irmãs)

O Brasil já não é mais uma monarquia há muito tempo. Mas isso não quer dizer que não tenhamos uma família real. Como diz o ditado: "quem é rei nunca perde a majestade". Mas será que esse é realmente o caso?

tramp-london-3.jpg

A Família Real ainda vive no nosso país, mesmo que nós não sejamos mais uma monarquia. Pode ser um susto para muita gente, afinal, não é todo mundo que sabe que o Brasil ainda abriga descendentes da monarquia. São descendentes da Princesa Isabel e até de Dom Pedro II. Entre eles, podemos encontrar bisnetos e trinetos, algo que nem soa tão comum assim para nós. Mas, além disso, existem outros fatos que muitos não sabem a respeito da Família Real Brasileira. Mostramos aqui alguns deles que você pode não saber.

1 - Primeiro da linha de sucessão

familia1-600x375.jpg

Muitas pessoas podem achar que Dom Pedro I era o primeiro na linha de sucessão ao trono. Mas não! O trono de Dom João VI era para ser do seu filho mais velho, D. Francisco Antônio. Mas o primogênito morreu, de causas desconhecidas, quando tinha apenas seis anos de idade. Do mesmo modo, D. Pedro também não era o segundo, mas ele também faleceu bem jovem, antes de ser coroado.

O monarca brasileiro perdeu seus dois irmãos mais velhos, no Rio de Janeiro, antes que eles completassem dois anos. Então, Pedro virou o herdeiro ao trono, quando seu pai abdicou.

2 - Horários

familia2-600x325.jpg

A maioria de nós pensa que as pessoas que fazem parte da Família Real têm uma vida fácil. E isso é bem verídico, pelo menos quando se tratava da família real brasileira. Seus membros não gostavam de acordar cedo. Eles começavam a almoçar por volta das nove horas da manhã e jantavam às 16 horas. Com esses horários, os membros reais estavam preparados para dormir às 19 horas.

3 - Troca de maridos

familia3-600x396.png

As relações, em tempos antigos, eram mais do que estranhas e complicadas se vistas com o olhar atual. E uma dessas coisas estranhas, envolveu as princesas Isabel e Leopoldina. As duas iam se casar no mesmo dia. A primeira, com o Duque de Sachsen, e a segunda com o Conde D"Eu.

Mas, às vésperas da cerimônia acontecer, uma se apaixonou pelo pretendente da outra. E então, elas decidiram trocar de maridos. Por fim, Isabel se casou com Conde D'Eu e Leopoldina com Sachsen.

4 - Moradias

familia4-600x400.jpg

Se você faz parte de uma família real, é esperado que você tenha várias casas em lugares diferentes. A família real brasileira tinha duas cidades. Petrópolis era o lugar onde a família de Dom Pedro II passava os verões. Ele, Teresa Cristina e suas filhas passavam seis meses no palácio de Petrópolis. E os outros seis meses do ano, no Palácio Real na Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro.

5 - Banheiro

familia5-600x486.jpeg

Cada pessoa da família real tinha, no palácio, o seu próprio banheiro. Cada um tinha a sua própria bacia e o seu lavatório. Como na época não existia água encanada, ela era carregada em baldes. E a higiene não era uma coisa muito importante na época. Assim, os monarcas tomavam banho a cada três dias.

6 - Higiene bucal



familia6-600x396.jpg

Logicamente, na época, não existiam pastas dentais ou enxaguantes bucais. O comum, no Palácio Real, era o consumo de folhas de fumo, para fazer essa proteção bucal. Essas folhas eram mascadas e cuspidas na escarradeira. Na época, isso era considerado bastante elegante.

Como os nobres não escovavam os dentes, essa era a melhor maneira de cuidar da saúde bucal.

7 -Lugar preferido

familia7.jpg

Se nós temos, em nossas casas, o lugar que mais gostamos de ficar, imagine em um palácio? Dom Pedro II tinha o seu lugar preferido. Esse lugar era o seu gabinete de estudos. Segundo os relatos da época, ele passava a maior parte de seu tempo nesse cômodo. E nele, tinha até mesmo uma cama.

Fonte: https://fatosdesconhecidos.ig.com.br/7-coisas-que-voce-nao-sabia-sobre-a-familia-real-brasileira/

Regras á mesa Real e os pratos favoritos da Rainha da Inglaterra

Existe um protocolo especial para quem se senta à mesa com a rainha Isabel II que deve ser respeitado à risca. O ex-chef da monarca revela as regras e conta ainda quais são as iguarias preferidas da mãe do príncipe Carlos.

rainha.jpg

Não é segredo para ninguém que a Rainha Isabel II preza muito pelas regras de etiqueta e pelos protocolos reais. Para a monarca, de 93 anos, há regras dentro da família real britânica que não devem em qualquer circunstância serem quebradas, e a hora da refeição não é exceção!

A hora da refeição, principalmente o jantar, no seio da Casa Real é um momento muito importante. Uma das regras que deve ser cumprida para estar à mesa com a rainha Isabel II é nunca tirar os olhos dela. Literalmente! Isto porque, de acordo com a etiqueta real, quem tiver a honra de jantar com a monarca [incluindo os membros da sua família], deve parar de comer sempre que a rainha parar. 

A refeição acaba quando a rainha Isabel II quiser e quando esta decidir que não quer comer mais, ninguém mais deve comer. Quem revela isto é o ex-chef da família real britânica Darry McGrady. Em declarações à revista Hola, o ex-funcionário da rainha Isabel II revelou ainda quais são as iguarias preferidas da rainha e as respostas surpreenderam.

Os pratos preferidos da rainha

Ao contrário do que se possa pensar, tendo em conta que é rainha e tem a possibilidade de comer aquilo que quiser, a mãe do príncipe Carlos «não é grande fã de comida». A avó de William e Harry não é bom garfo. Na verdade, e segundo o chef, é bastante esquisita e não varia muito na ementa.

Darren McGrady contou que todas as semanas era apresentado um cardápio com possíveis ementas para a rainha Isabel II escolher as refeições que queria e que a monarca riscava quase tudo. Por vezes ela própria escrevia o que queria, para evitar confusões.

Na pequena lista de pratos preferidos da monarca está o crème brulee com laranja, que o ex-chef revela ser o prato de eleição para quando janta com o príncipe André, uma vez que ambos adora a iguaria. 

«Para um prato principal, a rainha adora caça, como por exemplo bife gaélico, bife com molho de uísque e cogumelos, principalmente se for de carne de veado», contou Darren, acrescentando que a rainha adora patê, principalmente de «salmão fumado, truta e cavala.»

A paixão pelo chocolate

Darren McGrady acrescentou ainda que o monarca também uma paixão por chocolate: «Ela é absolutamente chocolátra. Qualquer coisa que colocássemos no cardápio com chocolate, ela escolheria, especialmente a torta de chocolate.»

Darren esclarece declarações sobre a rainha beber álcool

O ex-chef já tinha falado com os meios de comunicação sobre a rainha anteriormente. Darren McGrady revelou que a rainha Isabel II não bebe muito álcool, como havia ter sido relatado, e que a monarca nem sequer aprecia qualquer tipo de bebida alcoólica. «Aquilo que eu disse na altura foi que ela gosta de beber gin tónico e de Dubonnet. São as bebidas favoritas dela. Mas, como é óbvio, ela não acorda de manhã e bebe gin. Só bebe uma vez por dia, à noite. Se bebesse tanto quanto dizem estava em modo conserva», conclui.

Leia mais em: https://www.vip.pt/isabel-ii-regras-mesa-real-e-os-pratos-favoritos-da-rainha-de-inglaterra


Isabel II tinha um bar... e fechou porque os funcionários bebiam demais

O bar ficava no Palácio de Buckingham

naom_5d25b5e72e560.jpg

Isabel II também é apreciadora de um bom momento de convívio e, para tal, criou dentro do Palácio de Buckingham um espaço com esse fim. O que não contava era que os seus funcionários fossem particularmente boémios em horário laboral.

De acordo com o documentário 'Secrets of The Royal Palaces', do Channel 5, a monarca teve de fechar o espaço porque os empregados ficavam embriagados. 

Dickie Arbiter, antigo assessor de imprensa da rainha, afirmou que a decisão de Isabel II foi motivada pelo facto da situação ter tomado contornos realmente preocupantes no que diz respeito ao desempenho dos funcionários. 

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com/fama/1323116/isabel-ii-tinha-um-bar-e-fechou-porque-os-funcionarios-bebiam-demais

Harry e Meghan Markle deixariam a realeza? Sim, mas não convencionalmente

Um especialista afirmou que se poderia esperar um afastamento dos duques de questões ligadas ao protocolo.

naom_5d7cd73b9f6b3.jpg

Desde que entrou para a família real britânica que Meghan Markle trouxe várias mudanças, inclusive à forma como o príncipe Harry, seu marido, lida com a exposição pública.

Ora, conforme nota um especialista em realeza, os duques de Sussex poderão abdicar de pertencer à monarquia em prol do seu bem-estar e privacidade.

Mas afirma: "O Harry tem uma enorme devoção pela memória da mãe, Diana, e por isso seria improvável que ele e Meghan deixassem de ser da realeza no sentido convencional".

"Não haveria nada que os impedisse. A duquesa de Kent, por exemplo, decidiu reduzir os seus deveres reais, alegadamente por questões de saúde. [Contudo] É como realeza que têm poder de fazer o bem numa escala global", acrescentou, dando conta que poderá haver um afastamento dos duques dos eventos que não envolvam questões de solidariedade.

O especialista em questão, Mr Fitzwilliams, acredita ainda que a viagem dos duques à África do Sul, juntamente com o filho, o pequeno Archie, será um verdadeiro sucesso.

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com/fama/1324428/harry-e-meghan-markle-deixariam-a-realeza-sim-mas-nao-convencionalmente