O que acontece no seu cérebro quando você aprende um novo idioma?

“É sempre a mesma história: todo mundo sabe o quanto é importante ser fluente numa segunda língua, mas parece que ninguém se importa muito ou sempre arruma desculpas para não a aprender. O que acontece no seu cérebro quando você aprende um novo idioma?

22171709649345-t1200x480.jpg

Alguns benefícios de se aprender um novo idioma

Aprender uma nova língua pode, de fato, aumentar, fisicamente o tamanho do seu cérebro. Como consequência, você se torna mais inteligente quase que de forma instantânea. São várias as vantagens. Algumas das mais importantes são:

  • Melhor memória - Ao treinar um novo vocabulário, sua memória se torna mais potente para reter outros tipos de informações;

  • Melhor poder de decisão - Tomar decisões pensando em outro idioma torna esta atividade mais lógica do que fazê-lo pensando na língua mãe;

  • Multitarefa -  Ao conseguir pensar em mais de uma língua, o cérebro acaba permitindo que a pessoa faça mais de uma atividade ao mesmo tempo, melhor que indivíduos monolíngues;

  • Melhora do idioma nativo - Bilíngues falam melhor sua língua pátria que os monolíngues;

  • Cérebro mais saudável - Bilíngues costumam apresentar doenças como a demência quatro anos mais tarde do que os que só falam uma língua;

  • Novas oportunidades de emprego - Seja de carteira assinada ou como freelancer;

  • Conheças novas culturas - Aumenta suas chances de fazer amigos de culturas diferentes;

  • Aumente seu conhecimento - Falar várias línguas permite que você encontre tutoriais e cursos que não existem no seu idioma nativo”.

    Fonte: https://www.tecmundo.com.br/produto/139785-acontece-cerebro-voce-aprende-novo-idioma.htm

Coluna viagem - O que fazer em Cambridge em 24 horas?

“Esse post foi feito para você que vai fazer um bate-volta de Londres para Cambridge, ou que tem uma noite apenas na cidade. Com tão pouco tempo, o melhor é otimizar o seu roteiro ao máximo e planejar bem o que fazer em Cambridge nessas 24 horas. O o colunista Felipe Mortara (Segredos de Viagem), que já morou na cidade quando pequeno e voltou várias outras vezes, dá a letra e te mostra o que você não pode perder por lá. 

FOTO-1-Capela-do-King’s-College-é-o-principal-cartão-postal-de-Cambridge (1).jpg

A ciência costuma sempre elaborar uma hipótese e aplicar experimentos para comprová-la ou contestá-la. A Universidade de Cambridge é um polo de excelência científica há mais de 800 anos. Na minha recente visita por lá resolvi aplicar a teoria de que basta um bate-volta de Londres para conhecê-la. Quer saber o resultado? Não é verdade. A cidade é bem mais complexa e fascinante do que parece a quem nunca pisou lá e vale pelo menos dois dias inteiros (ou pelo menos uma noite, vai…).

A proximidade da capital – fica a 101 quilômetros, ou seja, 1h20 de trem ou 1h40 de ônibus – dá a falsa ilusão de que é só chegar, correr visitando os principais colleges, e retornar no fim do dia. Dá para fazer assim? Claro que dá, mas você terá perdido a chance de conhecer melhor uma das joias da coroa britânica do turismo histórico e de conhecimento.

O mesmo vale para a famosa cidade de Oxford, a 83 km de Londres, também universitária e com a qual Cambridge mantém uma antiga rivalidade. Uma disputa saudável, que impulsiona a ciência, a tecnologia e o saber no mundo. Ah, e todo ano desde 1829, equipes das duas universidades disputam anualmente uma corrida de remo no Rio Tâmisa, em Londres. A próxima Boat Race será dia 7 de abril de 2019.

Qual a importância de Cambridge?

Essencialmente a principal atividade é deslumbrar-se com o poder do conhecimento. A Universidade de Cambridge foi fundada por dissidentes de Oxford em 1209 e passou séculos aprofundada nos estudos matemáticos, para depois seguir também pela biologia e física.

Por lá viveram e produziram algumas figuras que você talvez conheça, como Isaac Newton, Charles Darwin e Stephen Hawking. Coisas incríveis para a humanidade aconteceram por lá, como o a descoberta da estrutura do DNA pelos cientistas James Watson e Francis Crick nos anos 1950. E também a quebra de códigos nazistas por Alan Turing, que resultou no fim da Segunda Guerra Mundial.

Mas afinal, o que fazer em Cambridge em 24 horas? 

Passear pela cidade é perder-se pelos 31 colleges. Vou tentar explicar. É mais ou menos como se Cambridge fosse a Cidade Universitária da USP e cada uma das faculdades fosse um college. Só que você pode estudar praticamente todos os temas em cada um dos colleges. Pode até dar uma confusão e a sensação de que a cidade inteira é a universidade em si. E no fundo é bem isso mesmo. Mas antes de começar a entrar de cabeça na vida que gravita ao redor da Universidade de Cambridge, comece com um programa mais contemplativo e igualmente imperdível. 

-Passeio de punt pelo Rio Cam

O Rio Cam corta a cidade e eu não deixaria de fazer um passeio a bordo dos punts, pequenas canoas quadradas empurradas por uma vara que o barqueiro apoia no fundo do rio. Custa 20 libras e recomendo ir com a tradicional Scudamore’s, ativa desse 1910.

FOTO-4-–-Passeio-de-“puting”-pelo-Rio-Cam-passa-sob-a-Ponte-dos-Suspiros.jpg

Tour pelos colleges da Universidade de Cambridge

Zanzar pela rua principal é descobrir que ela muda de nome de acordo com o college diante do qual você está. Ela começa St. John’s Street, vira Trinity Street e depois, a famosa King’s Parade. Estes são alguns dos principais colleges e que têm visitas guiadas ao longo do dia.

O St. John’s e o King’s cobram 10 libras para entrar, o que dá uma bela baqueada no orçamento, mas vale muito a pena, principalmente se seguir um tour. O Trinity é mais singelo, custa apenas 3 libras, mas sem poder entrar na sua famosa biblioteca, a Wren Library, de 1695, onde estão originais de Newton e Shakespeare.

Uma ótima opção é fazer um tour de 90 minutos com ex-alunos da universidade no Cambridge Alumni Tours por 10 libras – o lance é reservar até uma hora antes no quiosque na frente da igreja de Great St. Mary’s, na porta do King’s College. Se comprar online é mais caro (17,50 libras). O tour entra em alguns colleges e te enche de informações úteis para você entender a dimensão daquela beleza toda. Aliás, a igreja é linda e subir na torre (4 libras) pode valer a pena em dias bonitos 

FOTO-6-–-O-prédio-“novo”-do-St.-John’s-data-de-1831.jpg

Os prédios são majestosos e você pode ver exemplos fantásticos de arquitetura gótica, como a esplêndida Capela do King’s College. Só tenho fotos de fora dela por um simples motivo: não quis pagar 10 libras para visitá-la. Aqui vai uma dica preciosa para você, um verdadeiro segredo de viagem: diariamente, às 17h30 há uma missa aberta, gratuita e maravilhosa com o coral de meninos (chamam “services”, em inglês). Chegue às 17h na fila. O único porém é que não é permitido fotografar nem filmar DE JEITO NENHUM. Há tempos eu não passava uma hora sem ver sequer um celular ao redor.

-Ponte dos Suspiros, na St. John’s college

O St. John’s é um sonho de lugar. Os jardins são inacreditáveis e dá para passar uma manhã curtindo por ali. O prédio mais antigo é do século 16, e o prédio “novo” foi inaugurado em 1831 e é muito simbólico. Foi uma das locações mais usadas no filme A Teoria de Tudo (2014), que narra a trajetória do físico Stephen Hawking. Mas o destaque do St. John’s é a famosa Bridge of Sights, ou Ponte dos Suspiros, também de 1831, que atravessa o Rio Cam. Passar de punt por debaixo da ponte é de arrancar suspiros, literalmente.  

Não é por frescura nem mimimi que não se pode pisar na grama, trata-se de simbolismo apenas. Só professores e fellows, alguns poucos alunos condecorados por seus trabalhos, podem usufruir do privilégio. Pode reparar: quem pisa na grama geralmente tem cabelo branco… Enfim, aproveite os “Backs”, os fundos dos colleges são tão lindos quanto as fachadas nas ruas.

-Mathematical Bridge, em Queen’s College

Entre as maravilhas do passeio de punt pelo Rio Cam, a Mathematical Bridge é tida como uma das mais intrigantes. Fica dentro do Queen’s College e o mais comum é contemplá-la da Silver Street Bridge. Alguns guias podem tentar enganá-lo dizendo que foi erguida por Isaac Newton, mas ele já estava morto há 20 anos quando a ponte foi erguida, em 1749. O projeto da Wooden Bridge, como é chamada oficialmente, foi feito por William Etheridge e construído por James Essex e, dizem, é toda feita com vigas encaixadas, sem pregos.

FOTO-7-–-A-Mathematical-Bridge-é-um-projeto-ambicioso-de-engenharia-1024x640.jpg

Fitzwilliam Museum

Fitzwilliam Museum é um museu com coleções arqueológicas comparáveis ao inigualável British Museum, em Londres. Seções do Egito, da Mesopotâmia, da Ásia e de Chipre reúnem objetos impressionantes. Moedas e medalhas da Grécia e da Roma antiga também encantam. É tudo parte do acervo multicentenário de anos de pesquisa da Cambridge University. E tudo com um ar de museu de bairro, pequenino, tudo perto e acessível. Dá quase para achar que é tudo uma grande coleção de um tio avô distante. É o máximo.

FOTO-8-Fitzwilliam-Museum.jpg

Centro de Cambridge

Fora isso tudo, não deixe de dar uma boa volta pelo centrinho. O Market Square abriga uma feira diária, com frutas, legumes, embutidos e queijos. Tudo muito saboroso e fresco. O All Saints Garden Art, na frente do Trinity College tem ótimas ofertas de artesanato regional delicado e a bons preços.

Ali do lado, a Grand Arcade é uma galeria que reúne algumas das principais marcas inglesas, como Marks & Spencer, Boots, Clarks, etc… Vizinho, o Lion Yard Shopping Centre é mais tímido, mas tem uma série de lojas e uma casa de câmbio com boa cotação.

FOTO-9-–-Centrinho-de-Cambridge-tem-feiras-e-lojinhas-para-todos-os-gostos.jpg

Pubs famosos, e muito bem frequentados

Antes de ir embora, não deixe de brindar sua visita a Cambridge com um pint de IPA no Anchor Pub, na beira do Rio Cam, onde o Pink Floyd se reunia no começo da banda. Ou então no The Mitre, fundado em 1754, na Magdaleine St., bem do ladinho do St. John’s College.

A essa altura você já deve estar cansado e pronto para ir pro hotel dormir, ou tem que voltar para Londres e está morrendo de vontade de passar mais um dia em Cambridge. De todo modo terá aproveitado bem a cidade, e nada mau esse tanto de conhecimento e informação passando apenas um dia em Cambridge, não é mesmo? “

Fonte: https://segredosdeviagem.com.br/2019/03/o-que-fazer-em-cambridge/

Mãe de Kate Middlenton na falência?

Carole Middleton, a mãe da mulher de William, está a atravessar uma fase delicada, no que às finanças diz respeito. É que a empresária assegura a gestão da Party Pieces, um projeto que fundou em 1987 – que se dedica a fornecer materiais para a decoração de festas – e o negócio parece que já conheceu melhores dias.

vip-pt-38116-noticia-mae-de-kate-middleton-na-falencia-carole-middleton-ja-despediu-metade-dos.jpg

De acordo com o DailyMail, a mãe de Kate Middleton já começou a despedir funcionários por «temer o futuro». A mesma publicação avança que a empresa dispensou os serviços de, pelo menos, três funcionários, na passada quarta-feira, dia 20 de março, e um quarto funcionário terá dito que os salários estavam em risco. Tudo isto numa altura em que correm rumores de que metade dos funcionários já foram despedidos nos últimos meses.

Fonte próxima do diário britânico adiantou ainda que, na empresa cujo slogan é «festas mágicas há mais de 30 anos», paira no ar uma «terrível sensação de desgraça e melancolia» Quando foi fundada, no fim dos anos 80, a Party Pieces foi um verdadeiro sucesso e ninguém imaginava que, um dia, o projeto pioneiro na área viesse a sofrer uma crise complicada. Contudo, e apesar de o lugar já ter sido palco de tantos encantos,parece que o atual cenário é bem devastador...

Os tempos podem estar complicados para Carole, que vê a sua atividade profissional ameaçada, mas a família de classe média-alta pode respirar de alívio, uma vez que a crise do estabelecimento não afeta as finanças do núcleo. De salientar que os Middleton são herdeiros de uma fortuna milionária, o que lhes permite viver numa mansão isolada, na vila de Bucklebury, em Berkshire, avaliada em cerca de 5 milhões de euros.

Leia mais em: https://www.vip.pt/mae-de-kate-middleton-na-falencia-carole-middleton-ja-despediu-metade-dos-funcionarios

Moda: tendências outono / inverno 2019 - Coluna Entretenimento por Milena Baracat

O verão foi embora e com a chegada da nova estação vem também as tendências que prometem dominar as vitrines do outono / inverno.

1.LAVANDA

foto 1.jpg



2. ANIMAL PRINT

foto 2.jpg



3.XADREZ COLORIDO

foto 3.jpg


4. CASACO PELUDO



foto 4.jpg

5. NEON / FLÚOR

FOTO 5.png
FOTO 6.png

TIE DYE - estilo “manchado'”

FOTO 7.jpg
FOTO 8.jpg

Fotos Reprodução: Carol Gaia (1) / Virou Tendência (2) / Mixxon (3) / Google (4) / Almanaque da Mulher (5 e 6) / Vila Mulher (7) / Anônima da Moda (8).

Milena.jpg

Milena Baracat

Coluna Entretenimento

Formada em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). Atualmente presta assessoria ao Site Raquel Baracat.

Divórcio, briga entre irmãos e 'não' da rainha a Meghan agitam realeza. Saiba

Meghan Markle, Príncipe Harry, Kate Middleton, Príncipe William e rainha Elizabeth II estão nas manchetes envolvendo a família real que movimentaram o noticíario internacional nos últimos dias: teve veto da soberana a uma maior independência do neto caçula e mulher, suposta briga entre os filhos de Lady Diana e até uma separação entre Lady Davina Windsor e Gary Lewis, filha da prima da monarca.

2874496-o-palacio-de-kensington-se-pronunciou-so-950x0-3.jpg

A família real britânica está em evidência no noticiário de todo o mundo nos dias que se passaram: após o Palácio se posicionar sobre uma suposta rivalidade entre Meghan Markle e Kate Middleton, as duquesas, Príncipe HarryPríncipe Williame até a rainha Elizabeth II voltaram a aparecer nas manchetes por conta de divergências de opiniões, decisões polêmicas e novidades. Nessa semana agitada para a realeza, o Purepeople reuniu os principais casos de família (real) abaixo para você entender melhor tudo que aconteceu com os membros da realeza!

HARRY E WILLIAM ESTÃO AFASTADOS

Cineasta inserido na família real há mais de duas décadas, Nick Bullen revelou à Fox News que, na verdade, o desentendimento aconteceu entre o filho caçula e o primogênito de Príncipe Charles e Diana. "A verdade é que William e Harry se desentenderam. Todos os irmãos e famílias têm altos e baixos. O problema entre eles só se tornou público", argumentou o inglês sobre os irmãos - que teriam, junto com as mulheres, um grupo de mensagens online. Ele ainda adicionou: "Os dois perderam a mãe muito cedo e o conto de fadas é que eles estão mais juntos do que nunca e precisam um do outro. Isso provavelmente é verdade, mas os dois cresceram, começaram suas próprias famílias, estão se mudando para partes diferentes do país e tem deveres diferentes".

RAINHA NEGOU PEDIDO DE HARRY E MEGHAN

Com mudança para uma nova casa agendada, Harry e Meghan queriam ter ainda mais independência da família real. O desejo dos papais de primeira viagem - cujo sexo do herdeiro só será revelado no dia do parto -, no entanto, não foi aprovado por completo pela monarca. "Eles queriam que sua casa fosse totalmente independente do Palácio de Buckingham, mas foi dito a eles que não. Existe uma estrutura institucional que não permite esse tipo de independência. O sentimento é que é bom ter os Sussex sob a jurisdição do Palácio de Buckingham, então eles não podem simplesmente sair e fazer suas próprias coisas", disse uma fonte ao "The Sunday Times". Dessa maneira, o casal vai, sim, para uma nova casa, mas segue atendendo a possíveis pedidos da realeza.

CASAMENTO DE 14 ANOS CHEGA AO FIM

Filha da prima da Rainha Elizabeth II, Lady Davina Windsor se separou de Gary Lewis: pais de Senna Kowhai, de 8 anos, e Tane Mahuta, de 6, os dois estavam juntos há 14 anos e haviam se casado em uma capela do Palácio de Kensington.

KATE VAI A PRIMEIRO EVENTO COM RAINHA EM OITO ANOS

Mas nem só turbulências estão entre as novidades da família real: neste terça-feira (19), Kate Middleton foi, pela primeira vez, a um evento sozinha com a Rainha Elizabeth II. Meghan Markle teve essa experiência apenas um mês após seu casamento, mas a saída da mãe de Louis, Charlotte e George saiu com a avó do marido é algo inédito nos oito anos em que ela ganhou o posto de duquesa após se casar com William.

Fonte: http://www.purepeople.com.br/noticia/separacao-nao-de-rainha-a-meghan-markle-briga-entre-william-e-harry-movimentam-familia-real_a261236/1